Outras coisinhas


Toxoplasmose e a gravidez

Oi Casamenteiras, tudo bem?

A toxoplasmose é uma doença causada por um parasita que está presente em carnes cruas, verduras, legumes e frutas, um adulto infectado pode muitas vezes nem perceber que teve a doença, e quando percebe os sintomas são de uma gripe comum, manchas vermelhas no corpo, gânglios inchados, muito raramente pode evoluir para um quadro mais grave.

Já em mulheres grávidas, o perigo é real. Quanto menor o tempo de gestação, maiores os danos que podem ser causados ao feto/bebê. A toxoplasmose durante a gravidez pode causar desde um aborto espontâneo, até deficiências permanentes de visão, audição, dentre outras consequências graves ao bebê. Todo cuidado é pouco!

Uma vez que você pegou essa doença você se torna imune a ela, normalmente os médicos pedem um exame para saber se você tem anticorpos no início da gestação e pedem novamente em outros períodos para garantir que você não contraiu durante a gestação.

Quem ama gatos põe o dedo aqui! Esses bichinhos tão fofos e espertos são minha paixão! Eu amo! Mas é importante falar sobre os cuidados que devemos ter no contato com essas fofuras durante a gestação para evitar a temida toxoplasmose. Os gatos domésticos e outros felinos são hospedeiros do parasita que causa a doença, a transmissão da doença se dá através do contato com as fezes do animal, e o parasita atinge o ponto onde a transmissão pode acontecer após 24 horas. Portanto, se a caixinha de areia do gato for limpa todos os dias, o ideal é mais de uma vez por dia, já diminui muito o risco de contaminação. Durante a gravidez, o ideal mesmo é que a grávida não faça essa tarefa, mas se for impossível fugir dela, use luvas e lave muito bem as mãos depois.

grávida com gatinho

Gatos de apartamento dificilmente estão infectados com a doença, ela é bem mais comum em gatos que vivem soltos e caçam passarinhos e outros bichos contaminados.

Os meus gatos (Mel e Fubá) vivem com a minha mãe no interior de São Paulo, levam a vida que todo gato pediu a Deus, subindo em árvores, tomando um solzinho no gramado do quintal e caçando alguns passarinhos de vez em quando. Portanto, durante a minha gravidez toda eu tomei muito cuidado no contato com eles, não pegava no colo e nem ficava muito perto, gerou até uma ciumeira da parte deles, depois que as crianças nasceram eu tive que reconquistar eles, foi trabalhoso, mas deu tudo certo.

gatinhoNesse assunto da toxoplasmose, os felinos acabaram levando a fama de vilões, mas os campeões de transmissão dessa doença na verdade são os alimentos. Carnes mal passadas e verduras, legumes e frutas mal lavados.

Eu sou louca por quibe cru, é uma das minhas comidas favoritas! Passei muita vontade de comer durante a gravidez toda! Tanta vontade que o marido pediu um delivery para eu comer ainda na maternidade depois que as crianças nasceram! Este é um cuidado que toda grávida deve ter, lavar muito bem todos os alimentos que for consumir e carne só muito bem passada!

O peixe cru, não transmite toxoplasmose, as grávidas amantes de comida japonesa podem comer tranquilas, o cuidado nesse caso é com a procedência do peixe, procure frequentar restaurantes bons, que você já conhece e sabe que servem peixes frescos, o perigo do peixe cru é a salmonela, uma bactéria forte, que causa uma virose violenta, desidrata um adulto em questão de horas, e durante a gravidez pode complicar um pouco mais. É bacana destacar também que a gestante deve maneirar no molho shoyu, que tem muito sódio e pode contribuir para o aumento da pressão arterial.

Gravidinhas, cuidem-se!

Beijos,

Kaká

Leia mais...

A importância do “Mamanhês”

Olá mamães e papais, tudo bem?

Já ouviram falar em mamanhês?

Mamanhês é o nome dado a forma como adultos e principalmente os pais falam com os seus bebês.

Uma vez, conversando com uma amiga, ela me contou de um papo que teve com uma fonoaudióloga sobre a importância do mamanhês e eu fui me aprofundar no assunto pra contar para vocês.

Existe uma linha de pesquisa que encontrou diversos pontos parecidos no mamanhês de cada um. São entonações, pausas, responder pelo bebê como se estivesse acontecendo uma conversa de verdade, prolongar algumas sílabas, enfim, é um instinto impressionante, que todos que se tornam pais experimentam.

E não são só os pais né? Quando nos aproximamos de um bebê é quase impossível não afinar a voz e fazer caretas, isso ninguém pode negar.

Quando estes pesquisadores descobriram essas características em comum começaram algumas pesquisas muito interessantes relacionando o mamanhês e respostas positivas de bebês que foram diagnosticados como crianças autistas posteriormente.

Alguns bebês já dão sinais de que são autistas muito cedo. Não interagem com ninguém, não procuram o olhar da mãe ou do pai e você precisa se desdobrar em mil para ele apenas olhar para você. Foram analisados alguns vídeos de crianças com essas características e analisadas também as vozes das pessoas que interagiam com essas crianças. Em diversos casos a voz dos cuidadores principais não tinham as características básicas do mamanhês.

E o interessante é que quando aparecia alguém novo na cena que falava o mamanhês a criança reagia! Olhava, balbuciava e tentava interagir. Claro que ainda não houveram resultados cem porcento comprovados sobre isso, senão já teriam noticiado nos quatro cantos do mundo, mas é no mínimo interessante né? Parece que o mamanhês puxa a criança para fora do mundinho dela.

Pais falando com o bebê no berço

Outro benefício de falar “ô coisinha lindja, diícia di mamã!” É que ao falar assim chamamos a atenção da criança para a vocalização. E incentivamos de alguma forma o desenvolvimento da fala. O que devemos prestar atenção, é que a criança imita o adulto e aprende a falar o que ouve. Portanto o ideal é resistir à vontade louca de imitar o seu filhote falando errado e sempre repetir a palavra certa.

Por exemplo a Nina diz “vilo” ao invés de “livro” e o João conseguiu complicar ainda mais e diz “livla“! Quando eles pedem o “vilo” ou o “livla” eu tenho que me segurar com a fofura toda e responder: A mamãe vai pegar o livro para você.

Dessa forma eles vão ouvindo e se acostumando com a forma certa de falar até que um dia naturalmente sai a palavra correta.

Mãe falando com o bebê

O mamanhês também é chamado de “fala afetiva” e é bem isso né? Conheço casais que decidiram não falar assim com seus filhos e se dirigem à eles como falam com qualquer adulto. Cada um sabe o que faz, e como conduz a educação de seus filhos, mas para mim soa esquisito. Claro que você não vai usar o mamanhês após uma certa idade, senão seu filho terá toda razão ao te pedir para deixar ele na esquina da escola! (rs!) Mas eu sinto que um instinto tão forte como esse não pode ser ignorado.

E vocês? O que pensam sobre isso?

Beijocas!

Kaká

Leia mais...

7 coisas para te preparar para a gravidez

Com o que se preocupar antes de engravidar?

Olá Casamenteiras,

Nem sempre a gravidez é planejada, às vezes vem de surpresa e normalmente conquista todo mundo rapidinho. Mas, quando temos um plano e ele acontece, tem algumas coisas que você pode fazer para se preparar para esse período tão intenso que é a gestação.

Eu planejei bem certinho, quando casamos a ideia era engravidar depois de três anos de casados. Viajamos bastante, recebemos amigos para noitadas memoráveis em casa, curtimos muito a nossa casa e a nossa vida a dois. Mas conforme o combinado, e que coincidiu perfeitamente com o nosso “timing” como um todo, aos três anos de casados começamos a nossa jornada para sermos pais!

Eu comecei um pouco antes ainda, percorrendo alguns caminhos antes de engravidar, e é sobre isso que eu quero falar com vocês hoje.

1 – A primeira coisa que eu fiz, já pensando na gravidez, foi procurar um estúdio de pilates. Sim! Eu sempre trabalhei demais, eu era produtora de eventos antes das crianças nascerem e acabei levando uma vida meio sedentária. Uma vez travei minhas costas de tal forma, que eu não conseguia ficar em pé, só engatinhar… Fui parar no hospital e tudo, e eu morria de medo de isso acontecer durante a gestação. Me matriculei no pilates uns seis meses antes de engravidar, e posso garantir que foi uma das melhores coisas que eu fiz na minha preparação. Não tive uma dor nas costas sequer! E olha que tive gêmeos! Foi realmente muito bom! Durante a gestação eu tive que parar, por serem dois, mas quando é um bebê só você pode inclusive continuar durante. Então fica a dica, se você puder, peça para que um profissional de educação física te ajude a fortalecer principalmente a lombar, o abdômen e os braços (que serão muito usados depois que o bebê nascer!)

Grávida Pilates

2 – Procure um ginecologista e obstetra que você confie. E principalmente que você se sinta confortável. O meu médico por exemplo, é super, mega, ultra direto. Quem não conhece ele, pode achar até que ele não é gentil, mas ele é um amor de pessoa e para mim foi perfeito, eu sou dessas que discute com o médico e pergunta se precisa meeeesmo fazer tal exame porque é muito chato. Então eu precisava de um médico que me colocasse no meu lugar, entenderam? (rs!) É super importante escolher bem esse profissional pois você vai passar um bom tempo com ele e não é nada legal trocar de médico no meio do caminho. Marque uma consulta antes de engravidar para fazer todos os exames de rotina e garantir que está tudo funcionando bonitinho, exponha a sua intenção de engravidar e já converse sobre tudo que quiser.

3 – Marque uma consulta com o seu dermatologista. Converse sobre os melhores produtos para evitar estrias e também os temidos melasmas (manchas escuras no rosto). Vale super prevenir e já se informar sobre quais produtos/ substâncias você pode ou não pode usar durante a gravidez.

4 – Vá ao dentista. Faça uma limpeza e veja se tem algum ponto fraco que possa se tornar um problema durante a gestação. Se você tiver dor de dente durante a gestação lembre-se, não pode anestesia e nem remédios! Você vai ter que segurar a onda com paracetamol até o bebê nascer! Pode ser bem chato. Não custa prevenir, né?

5 – Corre para o cabeleireiro! Se você faz luzes, progressiva ou qualquer outro tratamento que envolva química, converse com o seu cabeleireiro sobre opções para se manter “decente” durante a gestação. Alguns obstetras liberam alguns tratamentos, mas não todos. O meu não liberou nadica de nada! Talvez valha a pena voltar a cor natural por exemplo. E depois que o bebê nascer você faz um “extreme makeover”!

Casal grávida

6 – Faça uma viagem gostosa com o marido! Depois que nascem os filhotes, fica difícil de organizar essas escapadas. Não é impossível não, mas é complicadinho. Então aproveite bem o maridão, marquem uma viagem e vão namorar bastante! Quem sabe você já não volta até grávida? Heheheh

7 – E por fim, comece a pensar na sua carreira profissional. Eu como produtora, precisaria ser super disponível para viagens, inclusive de última hora, virar noites na agência para entregar os jobs no prazo e outras loucuras. Eu já sabia que não ia ser fácil voltar ao trabalho, e quando descobri que eram gêmeos então, desisti da produção de vez! Talvez, você vá pelo caminho de se reinventar, ou já pode ir pensando em alternativas, enfim, fique com isso no seu radar para não ser pega de surpresa depois.

Fotos: Dollar Photo Club

Lembram de mais alguma coisa legal para cuidar antes de engravidar? Deixem nos comentários!

Beijos,

KaKá

Leia mais...

A magia da leitura

Olá casamenteiras, tudo bem?

Eu não sei vocês, mas como uma boa curiosa eu AMO ler. É uma das coisas que eu mais sinto falta desde que as crianças nasceram. Antes deles eu lia pelo menos uns 15 livros por ano, de todos os tipos, biografias, romances, policiais, ficção científica. Simplesmente me perco dentro da história imaginando tudo, para mim é mágico mesmo. Depois que eles chegaram eu reduzi o ritmo em quase zero e os assuntos também estão quase que 100% relacionados a assuntos infantis.

Mas a excelente notícia é que agora com quase um ano e nove meses eles estão começando a se interessar por histórias, e isso me anima em um grau que vocês não imaginam! Poder ler para eles e principalmente, passar para eles o gosto pela leitura está sendo quase tão prazeroso quanto ter tempo para ler os meus livros “de adulto”.

A leitura é um hábito maravilhoso para todas as idades. Com ela aguçamos a curiosidade e a criatividade. É interessante quando lemos um livro que vira filme, eu sempre fico curiosa para ver se o ator ou a atriz vai se parecer com o que eu tinha imaginado na minha cabeça, ou se as paisagens e o clima geral vão lembrar em alguma coisa aquele meu livro companheiro.

Para as crianças, o hábito pode auxiliar em diversas frentes. Podemos por exemplo abordar um tema referente a educação, mostrar um ponto importante através de uma história. A Nina por exemplo, desde que aprendeu a falar a palavra “dodói” ela inventa uns dodóis só para ganhar uma atenção a mais ou um beijinho. Comecei a contar bem rápido para ela a história do Pedrinho e do Lobo. Sempre que ela “mente” sobre um dodói eu conto essa história, explicando sempre, para que ela faça a conexão com a mentirinha dela.

Podemos também abordar os medos, suavizar estes medos com personagens, enfim, é literalmente um mundo infinito, que se soubermos usar e incentivar pode se tornar uma ferramenta extremamente útil.

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

Andei pesquisando pela rede algumas dicas para o momento da leitura e vou compartilhar aqui com vocês.

– Leia a história antes de contar. Assim você já identifica os momentos mais tensos, alegres e pode adequar o seu jeito de contar para ficar mais interessante.

– Se for inventar uma história, tente pensar um pouco no enredo antes de começar. As crianças percebem quando ficamos confusos e ficam muito felizes quando percebem que você separou um tempo do seu dia para pensar e dedicar a ele.

– Leia histórias adequadas para cada idade. Quanto menor a criança, mais rápida e objetiva a história tem que ser.

– Crianças pequenas também gostam muito de se identificar com a história. Talvez seja bacana descrever a personagem com características da criança, cabelos, cor da pele. Se vocês tiverem um gatinho por exemplo, que a princesa ou o príncipe da história também tenha um bichano.

– Não existe idade certa para começar a ler! Claro que existe a idade em que eles começam a prestar 1 minuto de atenção. Aqui em casa está começando agora com 1 ano e 9 meses.

– Criar um clima também é bem legal. Começa a fazer parte do ritual do sono por exemplo. Todos na cama, com a luz baixa ou uma vela por exemplo.

– Termine sempre a história. Nada de terminar no dia seguinte, isso deixa os pequenos muito ansiosos.

– Entregue-se a magia dos livros! Faça vozes, sons, caretas, use acessórios. Quanto mais você se jogar, mais seu filhote vai se envolver e amar!

Mais uma coisa importante, crianças aprendem muito mais através do exemplo. Leia você também! Que o seu filho te veja lendo e curtindo o momento. Ele vai querer te imitar sempre, que seja com um hábito tão legal quanto esse.

Se quiserem dicas de livros, autores, sigam a @mamae_leitora no Instagram. Adoro seguir o insta dela, me inspira sempre!

Espero ter ajudado vocês a correrem para a livraria!

Beijos Kaká

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS