Alimentação dos pequenos


10 dicas para a hora da refeição dos pequenos

E pode ser uma loucura essa hora, não?

Olá casamenteiras!

Hoje vou compartilhar com vocês um pouquinho da minha experiência na hora da refeição dos pequenos. Se tem uma coisa que sempre vira pauta de conversa entre as mamães do mundo é a alimentação e sempre estamos preocupadas com algo relacionado a este assunto não é?

Como a Nina e o João mamaram no peito só até os 3 meses, o pediatra deles começou a introdução de sopinhas aos 5 meses e meio! Claro que bem devagar, introduzindo mesmo. Ainda vou fazer um post sobre métodos de alimentação, que não eram tão divulgados quando comecei esse processo com as crianças, e por isso na minha casa foi o método tradicional mesmo.

1- Comece sempre na hora do almoço. Se o seu bebê tiver qualquer dificuldade ou alergia, você ainda tem o dia todo para observar. E sempre que for introduzir um alimento novo, procure manter esse costume de fazê-lo na hora do almoço.

2- Quando começamos as papinhas, eu fazia 3 sabores por vez. Eu descascava, lavava e cortava todos os legumes, verduras e separava em 3 bowls diferentes o que iria em cada sopa. Depois em uma panela eu refogava um pouquinho de alho, cebola e a carne. Dividia o refogado em 3 panelas e adicionava os legumes e verduras. Parece uma dica boba, mas com gêmeos era papinha para todo lado! Sou super a favor de deixar tudo bem prático!

3- O ideal é amamentar exclusivamente até os 6 meses e aí sim introduzir os sólidos, mas nem sempre isso é possível, como no meu caso, para que eles mantivessem o ganho de peso normal e recebessem todos os nutrientes que estavam perdendo por não ter o meu leite, foi necessária a introdução mais cedo. Converse com o pediatra!

4- Depois da fase das sopinhas, lá pelos 9, 10 meses começamos a deixar mais pedacinhos para eles aprenderem a mastigar. Aqui em casa essa fase foi super difícil, eles demoraram muito para aceitar os pedacinhos. O que eu fiz foi sempre colocar um purê bem macio junto. Pode ser de batata, mandioquinha, mandioca, abóbora. Aqui funcionou! E com os meus filhotes o purê é sempre o salvador da pátria! Se eles estão doentinhos, com a garganta irritada e não querem comer nada, purê neles! É infalível! E aí você pode dar uma turbinada no purê cozinhando uma carne junto, outros legumes e verduras. Dica testada e aprovada! 😉

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

5- Confie nas orientações do pediatra que você escolheu. O dos meus filhos por exemplo orientou a colocar carne de boi desde a primeira sopinha, aos 12 meses introduzir o leite tipo A e manter eles tomando pelo menos 500ml de leite por dia até a adolescência. Outro dia eu levei eles em um homeopata antroposófico (vou fazer um post só sobre linhas de pediatria, aguardem), que é uma linha mais “espiritualizada” da homeopatia, gostei muito da consulta, mas a orientação de alimentação dele foi absolutamente contrária a que eu tinha até aquele dia! Sem carne no primeiro ano, sem ovo até os 18 meses e ele acredita que a criança não deva consumir leite de vaca por ter uma proteína de difícil digestão para os pequenos. Entendem? Tudo diferente! Então procure um pediatra que siga a mesma linha que a sua família e fique com ele, senão pode haver confusão de métodos e ideologias.

6- Amo de paixão os babadores de plástico, na minha opinião foi uma das invenções mais praticas neste universo baby nos últimos tempos! Mas só funciona bem depois que o bebê já estiver sentando com firmeza. Antes disso acho melhor os de pano mesmo, o de plástico por ser durinho pode incomodar o pescoço do bebê.

7- Quando seu filho rejeitar algum alimento na primeira vez que você oferecer, não se desespere! O João literalmente vomitou na primeira vez que comeu mamão, odiou, e hoje é a fruta que ele mais gosta! Insista um pouco, ofereça mais vezes e sinta como seu filhote se comporta.

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

8- Desde o começo aqui em casa nós mantemos a televisão, celulares, tablets desligados na hora da refeição. Acho um habito saudável, que coloca o foco no momento da refeição e evita que mais para frente eles comam como robozinhos em frente a tevê, sem nem se dar conta do que estão comendo.

9- Tivemos uma fase que apelidamos de “Boca de Siri”. O João simplesmente parou de comer. Ele até aprendeu a chorar de boca fechada para não correr o risco de eu colocar comida! Hahaha. A primeira vez que aconteceu, eu fiquei desesperada, tudo que queremos como mães é que os nossos filhos se alimentem bem, e cresçam fortes e saudáveis. Quando um filho começa a comer mal, normalmente a situação rapidamente se transforma em um baita drama. O que eu aprendi, é que as crianças já vem de fábrica com uma capacidade incrível de reconhecer os nossos pontos fracos. Portanto, keep calm que tudo dá certo. Como meu pediatra me disse, ninguém morre de fome na frente de um prato de comida, mas todo cuidado é pouco, não vale oferecer um leite ou lanchinho no lugar da comida. Se não comeu ou é por que não está a fim de comer ou está sem fome mesmo. Talvez seja a hora de tirar o suco da manhã. E sempre oferecer o alimento na hora certa. É incrível, mas como num passe de mágica eles voltam a comer tudo!

10- Sou super a favor de segurar ao máximo algumas coisas na alimentação. Não acho que bebês e crianças precisam experimentar refrigerante ou açúcar, por exemplo. Minha mãe morre de dó porque eu dou iogurte natural para eles, sem adoçar nem com um melzinho, mas eles nem sabem como é o doce de verdade, e se os últimos estudos que eu li estiverem corretos, parece que nos 2 primeiros anos de vida é que desenvolvemos os hábitos alimentares que levaremos para a vida toda. Sabendo disso, o que custa apresentar os alimentos saudáveis e uma dieta balanceada? Eles terão a vida toda para se entupir de pizza e brigadeiro. Apesar que brigadeiro eles já comeram (hihihi).  Sem extremos! Foca no saudável!

Meninas, se tiverem alguma dúvida ou sugestão, por favor, escrevam nos comentários. Vou ficar super feliz em responder!

Beijos!

Kaká

Leia mais...

Dietas restritivas para bebês e crianças

Foi isso mesmo que você leu!

Olá meninas,

Navegando pela internet eu encontrei um post um tanto revoltado no site de novidades tecnológicas e coisas legais do mundo geek – Gizmodo – que tem uma versão brasileira, mas a matéria é em inglês e está aqui.

O assunto é o seguinte, na Austrália está havendo uma super polêmica, que inclusive atrasou por tempo indeterminado o lançamento do livro “Bubba Yum Yum – The Paleo Way – For new mums, babies & toddlers” (Bubba Yum Yum – O Caminho Paleo – Para novas mamães, bebês e crianças – tradução nossa).

Para quem não sabe do que se trata a dieta paleo, ela é baseada na alimentação de nossos ancestrais que viveram há mais de 2 milhões de anos. Ou seja, nada industrializado, nada processado, apenas o que se poderia caçar e/ou encontrar na natureza. É uma dieta baseada em carnes, miúdos, ovos, poucas frutas, poucos legumes, poucas verduras, poucas castanhas e praticamente sem grãos.

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

Que um adulto escolha o caminho de dietas radicais, ok! Cada um sabe o que faz. Mas impor isso a um bebê ou uma criança pode ser arriscado! No livro, uma das receitas mais alarmantes é uma fórmula caseira para substituir o leite, feito de fígado de galinha e caldo de ossos. Os médicos australianos avisam que a mistura contém mais de dez vezes mais vitamina A do que o recomendado e faltam uma porção de outras vitaminas necessárias, ou seja, não é saudável, pelo contrário, faz muito mal! Principalmente por que seria o único alimento do bebê nos primeiros meses. Essa é apenas uma das receitas do livro, que pelo que eu li, tem outras “orientações” perigosas para a saúde dos pequenos.

O presidente da Associação de Saúde Pública da Austrália declarou que existe uma possibilidade real de que algum bebê morra em decorrência do uso desta dieta, caso este livro seja publicado.

Pessoas, o assunto é sério. Os bebês e as crianças precisam de calorias, gorduras, comida de verdade. Precisam engordar e ser fofinhos. Eles gastam tudo isso jogando bola, correndo, andando de patinete e crescendo! Desenvolvendo os músculos, ossos, o cérebro. Bebês e crianças devem comer o que for indicado pelo seu pediatra. Não discuta, com certeza uma pessoa que estudou por 10 anos (e estuda até hoje!) para atender crianças e somada a sua experiência sabe muito melhor como cuidar do seu bebê do que os seguidores de uma dieta dessas.

É claro que sempre procuramos oferecer aos nossos filhotes o melhor. Quanto mais natural e caseira for a comida, melhor! Quanto menos açúcar refinado, sal, gordura hidrogenada, enfim, quanto mais pudermos nos aproximar de uma dieta mais natural, ótimo! Mas sem extremismos e loucuras. Não estou aqui julgando adultos que escolhem essa ou aquela dieta para si, mas envolver os pequenos? Eu não faria isso com meus filhos, cada mãe sabe o que é melhor!

Beijos!

Kaká

Leia mais...

A importância da amamentação na formação do rosto

Meninas, vocês já pensaram em quanto a amamentação é importante na formação do seu bebê, certo? Mas e na formação do rosto dele? Especialistas dizem que a região da boca pode ser a maior vilã das crianças na hora de formar bem a face. Será?!

A amamentação fortalece os músculos do rosto e exercita a respiração. Tudo isso junto direciona a formação dos ossos dessa região. Vai depender da fome do seu pequeno, quanto mais fome, mais sucções ele vai fazer para tomar o leite. Essas sucções podem variar de cinco a 30 por minuto. Esse exercício que ele faz (e que deixa ele exausto, não é verdade?) é super importante para a formação da arcada dentária e desenvolvimento da fala. Está tudo interligado!

A função da fala depende da formação óssea a muscular da área do rosto. O posicionamento da boca ao redor dos mamilos estimula pontos articulados que irão produzir os fonemas, e a tonificação da língua, bochechas e lábios é essencial na geração das palavras.

E a mamadeira? A mamadeira pode ser muito prejudicial, pois este fluxo de leite do bico artificial nunca vai conseguir se igualar ao natural, mesmo que seja no formato ortodôntico. A mamadeira obriga o bebê e alterar a posição da língua e acaba engolindo da forma errada. Claro que tem muitas mamães que não têm leite ou, por algum motivo, não podem amamentar. Então é imprescindível buscar um equipamento de qualidade para dar o leite ao filho na tentativa de compensar. E se você sentir que o desenvolvimento do seu pequeno pode estar prejudicado, não deixe de procurar um especialista. Dentistas e fonoaudiólogos sempre podem ajudar, não precisa esperar um problema para procurar estes profissionais, previna-se!

Fonte: Dentistry

Foto: Pinterest

Leia mais...

Lancheira saudável

A gente sabe que alimentação saudável é essencial em todas as fases da vida e se torna ainda mais importante durante o crescimento. Em casa, com o controle, e o exemplo, dos pais fica mais fácil fazer com que as crianças comam direitinho. Mas como fazer fora de casa? Na hora do lanche da escola, as tentações podem ser muitas, delícias da cantina e das lancheiras alheias bem ao alcance das mãos.

Uma das maneiras mais legais de fazer com que os pequenos comam direitinho é montar lancheiras que sejam bem gostosas e atraentes! Comidinhas bem coloridas e variadas vão fazer sucesso. Para facilitar sua vida, vale organizar com atencedência o cardápio da semana, assim fica mais fácil visualizar os lanches com o que você já tem em casa e também prever o que será preciso comprar na próxima visita ao mercado.

Por Raquel Godoy

♥♥♥

Fotos via: Parents, Family fun e A little delightful

Leia mais...

Papinhas orgânicas

Super bacana a ideia do Chef Sperotto em lançar a linha Organic Baby, com a proposta de resgatar antigos valores, com produtos saudáveis e livres de agrotóxicos para bebês e crianças. Quem não quer viver com saúde, não é mesmo? Mas a triste realidade é que nos dias de hoje quase ninguém tem tempo nem disponibilidade para cozinhar, regar a horta e colher as flores no jardim, como antigamente…

Foi com o objetivo de trazer de volta as delícias da comidinha caseira dos tempos das nossas avós que surgiu a Organic Baby. Suas papinhas são 100% orgânicas e fresquinhas, seguindo as mais rigorosas técnicas de preparo e higiene, sem adição de conservantes e açúcar  O cardápio está dividido em três fases, exatamente de acordo com o desenvolvimento de crianças de 6 meses a 3 anos. Apenas as papinhas da terceira fase e complementos (acima de 12 meses de idade) contêm sal, respeitando a quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde.  O mais legal é que a empresa aceita pedidos on-line e faz tele entrega para Porto Alegre! Fiquei doida para experimentar e vocês?

Por Karla Keunecke

♥♥♥

Fotos: Cris Berger

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS