Outras coisinhas


Viagem em família

Oi Casamenteiras, tudo jóia?

Eu gosto muito de planejamento, principalmente depois que as crianças chegaram, virou praticamente umas necessidade!

Viajar com crianças pequenas exige um certo planejamento, hotel, carro, cadeirinhas para o carro, o que fazer em caso de chuva?

Pois bem, viajamos em família nesse feriado de 02/11, e foi super de surpresa! Fomos convidados para um noivado de amigos muito queridos em Curitiba, e quando percebemos que era feriado na segunda-feira resolvemos esticar a viagem até Santa Catarina para as crianças conhecerem o mar.

Eu sei, eu sei, dois anos e não conheciam o mar? Sim, nossa família é mais de campo do que de praia, é bem raro irmos à praia. Mas Santa Catarina, especificamente Balneário Camboriú tem um significado importante para nós, quando eu e o marido fizemos um ano de namoro, ele foi contratado por uma empresa lá em Santa Catarina, e morou lá os próximos quatro anos do nosso namoro. Curtimos muito aquela cidade, muito mesmo, eu ia a cada 20 dias e ele vinha sempre que podia, foi um namoro semi a distância. (rs!) Nossos amigos também viajavam bastante para lá, conhecemos cada cantinho da cidade, e lá no fundo do meu coração eu queria muito que eles conhecem a praia de lá, no fim das contas, essa viagem sem muito planejamento deu mais certo do que se a gente planejasse por meses!

A previsão era de chuva todos os dias, e choveu mesmo, mas até a chuva foi uma diversão! Compramos mini guarda-chuvas e eles amaram! Criança é tudo de bom, eles sempre nos lembram de nos divertirmos com o que temos disponível não é?

Praia com chuva

Fiz uma mala enorme, opções de roupas de frio e calor para todos os dias, mas se provou super necessário, usamos quase tudo!

Uma das coisas que eu fiz e gostei muito foi levar a cadeirinha de carro deles, o modelo que eu comprei é super compacto e o assento se fecha para transportar com mais facilidade. Aliás, essa cadeirinha vai do nascimento até o buster, ou seja, pode ser a única cadeirinha da vida! Se eu soubesse disso antes tinha comprado só ela. É da marca Radian, modelo R100, recomendo muito! Super tranquilo para despachar, montar e desmontar e é o modelo mais compacto no mercado, cabem três cadeirinhas no banco de um carro sedan, no meu caso, coloco as duas cadeirinhas e ainda sobra espaço tranquilo para mais uma pessoa sentar. Na nossa última viagem nós alugamos a cadeirinha e foi um “Deus nos acuda!” A cadeirinha era péssima, as crianças conseguiam se soltar com uma facilidade incrível e ela era tão grande que quem ia atrás junto com eles tinha que sentar no chão.

Praia!

Como a previsão era de chuva, procuramos um hotel com infraestrutura para as crianças, escolhemos o Plaza Camboriú, ele é antiguinho, mas no todo foi ótimo! Tem uma brinquedoteca fofa e piscina fechada aquecida, usamos tudo. Fica muito bem localizado, perto da praia, shoppings, e de uma avenida de comércio super movimentada para passear.

Levamos também a nossa ajudante “anja” para nos auxiliar com as crianças, eles estão com dois anos e três meses, uma fase complicada ainda, ataques de birra, comendo super mal, sono agitado por causa das novidades, foi muito bom ter uma ajuda extra, foi maravilhoso na verdade, não costumamos levar a babá junto para muitos lugares, mas dessa vez valeu cada centavo de hora extra! (rs!) Deu para sair para jantar com o maridão, colocar o papo em dia, dormir melhor, enfim, aproveitar um pouco das nossas mini férias.

Praia!

Sobre Balneário Camboriú, sou suspeita para falar, mas a cidade é o máximo! E para os pequenos é muito legal, além da praia, tem muitos parquinhos pela cidade, cinemas, o Parque Unipraias que tem atrações muito bacanas para os mais velhos, o Beto Carrero World é super pertinho, para nós só faltou o sol, tivemos apenas um dia sem chuva, e já tivemos uma amostra do tanto que dá para curtir a cidade, fomos a praia, brincamos na areia, fomos em parques, andamos no molhe, na orla, foi sensacional.

A rotina deles foi para o espaço, eu até tentei manter os horários, mas uma hora eu desencanei de vez e deixei eles curtirem também. Quero só ver como vai ser para voltar tudo ao normal, mas valeu a pena!

IMG_4212

Foi lindo ver meus pequenos vendo o mar pela primeira vez, ver o encantamento no rosto deles, a preocupação com as ondas que iam embora, os peixinhos nas redes dos pescadores, a felicidade por ter areia sem fim para brincar, foi bom demais! Até me animei para ir mais a praia! Ou “ta paia” como dizem os pequenos!

Beijos!

Kaká

Leia mais...
Casare - Seu Site de Casamento mais Elegante!

Ômega 3 na gestação, lactação e infância

Olá casamenteiras, tudo jóia?

Quando eu estava grávida, tomei suplementação de Ômega 3 a partir do terceiro trimestre, eram muitos comprimidos por dia, eu pareço criança tomando comprimido, um por vez e sempre com cara feia. Mas por filho a gente faz tudo não é? Tomei direitinho e sem reclamar.

Cada vez mais aparecem estudos comprovando a importância do DHA (ômega 3) estar presente na alimentação de gestantes, lactantes, crianças e na verdade, de todos nós. Na fase da gestação, essa substância garante a boa formação do sistema nervoso e dos olhos. Existem estudos que comprovaram que crianças cujas mães ingeriram a quantidade indicada de DHA durante a gestação tem uma maior capacidade de raciocínio, resolução de problemas, parece que fazem mais ligações neurológicas. Não é incrível?

ômega 3

Na lactação, tudo que a mãe ingere vai para o bebê através do leite materno, durante os primeiros anos de vida, o cérebro se desenvolve de forma assombrosa, muito rápido, e se a criança consumir níveis adequados de DHA ela tem um desenvolvimento cognitivo e visual muito superior as crianças que não tem uma nutrição adequada. Para as mamães que dão fórmula, verifiquem a quantidade da substância na embalagem, a Associação Brasileira de Nutrologia sugere que deve haver de 0,2% a 0,5% na composição do leite artificial.

Após esse período, até a adolescência,  ainda existem partes do cérebro em formação, como o lóbulo frontal, o que deve manter as mamães de “bebês” de todas as idades atentas ao que vai ao prato. As principais fontes naturais de ômega 3 são os peixes de águas profundas, salmão, arenque, sardinha e atum. É importante verificar a procedência do peixe que iremos consumir, peixes criados em cativeiro, não tem altos níveis de ômega 3 quanto os peixes selvagens, que se alimentam de algas. O atum enlatado é uma ótima opção e é confiável. A forma de preparo também é importante, prefira cru, assado, grelhado ou ensopado, fuja do peixinho frito.

salmão - ômega 3

Além dos peixes, a semente de linhaça, castanhas, nozes e óleos vegetais como o azeite de oliva, e os óleos de canola e soja também são fontes importantes de DHA na nossa alimentação. O consumo de DHA recomendado por nutricionistas é de no mínimo 500mg por dia, uma lata de atum tem um pouco mais que isso. Aqui em casa eu cozinho o arroz sempre com umas três ou quatro colheres de semente de linhaça e outras sementes boas como gergelim, chia, altera pouco o sabor e turbina o arroz nosso de cada dia.

Se você achar que não vai dar conta de suprir a necessidade diária através da alimentação, fale com o seu médico e invista nos suplementos, tem ótimas marcas no mercado, eu sugiro tomar antes de dormir para evitar um gostinho desagradável de peixe que pode aparecer, mas vale muito a pena!

Espero ter encorajado vocês a dar um up na alimentação!

Um beijo,

Kaká

Leia mais...

Um refúgio para reencontrar a infância – Maloca Família

Olá casamenteiras, tudo bem? 

A infância é o período mais especial da vida de um ser, não é? Dizem que até os sete anos, formamos todo o nosso caráter, opiniões e já moldamos a forma que enxergaremos o mundo dali para frente. 

Quando penso na minha infância, e vejo a infância de hoje, chega a me dar um aperto no coração. Algumas crianças ainda tem algumas boas oportunidades de entrar em contato com a natureza, brincar livres, se sujar, colher fruta do pé, descobrir o mundo, mas convenhamos, a maioria das crianças que vivem nos grandes centros urbanos não, elas fazem isso através de smartphones e tablets, sentadas em um sofá. Assistindo tevê, ao invés de estar lá, curtindo aquilo tudo. 

Dá para sentir o desespero dos pais, observando o aumento de espaços de brincar e buffets infantis com nomes e estruturas físicas que remetem a esse tempo bom que não volta. Lugares com árvores, terra, areia, animais, nomes como quintal, casa, recanto da vovó, estão com datas lotadas, e isso quer dizer alguma coisa vocês não acham? 

Chegou aqui na redação do Casamenteiras o release de um projeto tão legal, mas tão legal que eu não podia deixar de compartilhar com vocês. Quando eu li, o sentimento que me deu é de que é uma dessas experiências que muda a nossa vida sabe? 

Trata-se do Maloca Família. É uma experiência de conexão com a natureza, com você mesmo e a sua família. Nesse projeto, as famílias viajam até Alter do Chão, uma cidadezinha no Pará e ficam hospedadas em uma casa de madeira no Maloca Viva, um espaço de desenvolvimento humano que fica a 30 minutos do aeroporto de Santarém, à beira do Rio Tapajós e abraçado pela Floresta Amazônica. Que sonho!

Nessa casa, não há divisórias, apenas redes onde todos dormem juntos, as atividades propostas são diferentes de tudo que você já viu!

Nas palavras das idealizadoras do projeto:

“A ideia do Maloca Família surgiu de uma vontade minha, Adriana Vieira e da Sandrine Fresnel de levarmos nossos filhos para viverem, ao seu modo, a experiência que tivemos na nossa passagem pela Maloca Viva.

Fizemos um retiro de conexão com a natureza e participamos de vivências maravilhosas.

Um dos resultados alcançados, foi transformar este insight em um projeto real, aonde além dos nossos filhos, outras famílias pudessem desfrutar da experiência de conhecer a Floresta em um contexto diferente. Nessa viagem, além de promover o turismo e a conexão com a natureza, nossa proposta é:

• Inspirar a integração das famílias através de atividades lúdicas 

• Motivar o detox de eletrônicos

• Apresentar noções de geografia através de reconhecimento em campo

• Apresentar noções de bioconstrução e permacultura

• Apresentar noções de alimentação consciente

• Promover a integração dos participantes com os moradores ribeirinhos e com povos indígenas

• Gerar uma experiência transformadora para pais e filhos

 Programação:

• Yoga e meditação para despertar o corpo e a alma logo cedo

• Atividades lúdicas, rodas de brincadeiras 

• Atividades artísticas

• Passeio de barco

• Trilha na Serra da Piraoca 

• Banhos no rio Tapajós e nos Igarapés

• Picnic nas praias de areia branca

• Noite de pizza compartilhada e fogueira musical com voz e violão

• Cinemaloca com o Filme Território do Brincar”

Eu fiquei encantada com essa ideia, e não vejo a hora da Nina e do João crescerem um pouco mais para levar eles. 

O projeto convida crianças de todas as idades, mas para aproveitar 100% da programação, a indicação é de sete a catorze anos.

Se seu coração pulou de alegria como o meu, entre em contato com as meninas do projeto para saber sobre valores e datas, tenho certeza que será uma experiência maravilhosa e inesquecível! 

A empresa responsável pela viagem é a Leella, eles são uma consultoria especializada em viagens de integração familiar, seguem os contatos.

[email protected]

Sandrine: (011) 971154633

Adriana: (011) 976782426

Para conhecer melhor o Espaço Maloca Viva entre no site malocaviva.com

Arvore

Maloca1

Maloca2

menino do rio (1)

IMG_9758

IMG_9769

IMG_9779

Quarto amazonico

Beijos 

Kaká

Leia mais...

Suco – Vilão ou Mocinho?

Oi casamenteiras, tudo jóia?

Temos uma ideia generalizada de que os sucos são ótimos para a saúde não é? E são sim, com certeza é um milhão de vezes melhor consumir um copo de suco ao invés de um refrigerante por exemplo, mas mesmo o suco de fruta fresco tendo muitas vitaminas, ele também tem muita frutose, que é o açúcar natural da fruta.

Sucos

A fruta tem água, vitaminas, frutose e fibras, basicamente. Quando batemos ou esprememos as frutas e consumimos logo em seguida, estamos levando as vitaminas, água e frutose para o copo, mas as fibras que são tão importantes não vem junto. As fibras tem uma função muito importante, dentre outras coisas, de retardar a absorção do açúcar, quando não ingeridas, nosso corpo absorve a frutose mais rápido e consequentemente em maior quantidade, metaboliza ela no nosso fígado, transformando tudo em glicose e depois em gordura. Parece loucura pensar isso, mas um copo de suco é quase açúcar puro! Sim, um açúcar natural, mas que se transforma e glicose como todos os outros açúcares. 

Consumir sucos em excesso é tão ruim para a saúde quanto comer doces ou tomar refrigerantes. Os sucos devem ser consumidos com moderação, e nós mamães devemos estar sempre muito atentas a isso na alimentação dos nossos filhotes. Eu confesso que tomei um susto quando o pediatra das crianças disse que não era para dar suco adoidado para eles. Na minha cabeça era o melhor que eu poderia oferecer. Mas enquanto eles aceitarem, o esquema é água. 

Todas as vitaminas, junto com as fibras devem ser consumidas comendo as frutas. Agora imaginem esses “sucos” de caixinha que nem suco são? Nem pensar!

Acabei acostumando a Nina e o João com água mesmo, essa semana eu comprei um suco de uva integral, ofereci, mas não fez sucesso não. Comem todas as frutas que existem nesse planeta, e eu amo isso de paixão!

frutas

A maioria das organizações de pediatras no mundo recomenda a ingestão de 100ml a 150ml de suco por dia. Recomendam também não oferecer para crianças menores de 1 ano e tentar não utilizar a mamadeira e sim copinhos de transição para não acelerar sem querer o processo de desmame. Não devemos oferecer sucos antes de dormir, pois isso está super relacionado com cáries (lembram do açúcar da fruta?). E por último, nunca substitua a fruta pelo suco, comer a fruta é sempre o melhor caminho.

Validei todas essas informações com uma super nutricionista, e se tiverem alguma dúvida, é só perguntar nos comentários, ok?

Um beijo,

Kaká

Leia mais...
Facebook Twitter Instagram Pinterest RSS Facebook Twitter Instagram Pinterest RSS