É muito comum no consultório a reclamação de que o cão está comendo fezes, às vezes são suas próprias e as vezes, de outros animais. Há uma atração natural do cão por fezes de animais herbívoros (cavalos e bovinos), principalmente aqueles cães que estão com deficiências nutricionais. Consideram-se normais aquelas fêmeas que fazem a higiene de seus filhotes ingerindo fezes e urina dos mesmos. A coprofagia é considerada anormal quando o cão ingere seus próprios excrementos ou de outros cães.

coprofagia Coprofagia canina

Este comportamento inadequado ainda não foi completamente elucidado, no entanto existem algumas razões que exemplifico abaixo:

  • coprofagia em resposta à punição por sujeira em local inapropriado, assim o cão faz a remoção das evidencias e não é punido;
  • doença endócrina: hipertireoidismo, diabete mellito;
  • coprofagia induzida pela administração de drogas como glicocorticóides e fenobarbital;
  • doença que leve à assimilação de nutriente de forma insuficiente: enteropatia inflamatória ou parasitismo intestinal.

Verificamos alguns sinais clínicos nos pacientes coprofágicos:

  • Halitose (hálito com odor desagradável);
  • Sinais gastrointestinais: vômitos, diarréia, flatulência, eructação.

Sempre devemos fazer a diferenciação entre a coprofagia comportamental e a clínica. É possível diferenciá-las através do histórico do paciente, avaliação da dieta e do ambiente onde reside, manejo que os donos têm com o cão, exame físico completo e exames complementares. Quando for diagnosticada a coprofagia clínica, deve-se proceder ao tratamento da patologia pré-existente a fim de resolver a ingestão fecal.

coprofagia-2 Coprofagia canina

Quando o problema for comportamental exclusivamente podemos:

  • Proceder à limpeza dos excrementos logo que o animal defecar;
  • Passear com o cão a fim de que defeque na rua, caso venha a querer mesmo assim ingerir as fezes, utilizar focinheira para retirar o hábito;
  • Oferecer um petisco logo após defecar, assim aguardará sempre a recompensa não associando mais o momento com a ingestão fecal;
  • Uso de medicações específicas a fim de tornar as fezes desagradáveis à ingestão.

Também verificamos inúmeros relatos de proprietários que utilizam abóbora na dieta, assim conseguiram que seus cães encerrassem esse hábito desagradável, mas não temos comprovação científica a respeito desse uso.

viviane Coprofagia canina

Dra. Viviane Dubal – CRMV/RS 8844

Formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e proprietária da Clinica Veterinária Saúde Animal em Porto Alegre. Contato: vivianesd@bol.com.br