Oi Casamenteiras, tudo jóia?

Saímos de São Paulo no dia 23 de Dezembro a noite, rumo ao interior do Estado para passar as festas e depois esticar as férias por aqui mesmo. Ainda na garagem do prédio, a Nina e o João já de pijamas e munidos de suas naninhas e almofadinhas, encontramos um casal que nos cumprimentou e a mulher me perguntou se íamos dar uma volta para eles dormirem, respondi que não, que estávamos indo viajar e ela completou dizendo que com os filhos dela ela saía todas as noites para dar voltas de carro pelo bairro até eles dormirem.
Detesto julgamentos, mas sem perceber, entrei no carro, fechei a porta e falei para o meu marido: Nem morta eu crio essa prisão para mim, acostumar criança a dormir no carro jamais! Pronto! O universo ouviu e resolveu me ensinar mais uma vez a não julgar ninguém, nunca!
Em casa, em condições normais de temperatura e pressão, a Nina e o João dormem logo após o almoço, essa soneca é super importante para a casa toda, eles ficam bem humorados pelo resto do dia, eu tenho tempo de almoçar tranquila e fazer mil coisas do dia a dia. Acontece que aqui é a casa da vovó, tem tudo acontecendo e eles não querem perder nada, fora que temos muitos amigos com filhos aqui no condomínio, é muita atividade para eles perderem dormindo, e está chovendo mais do que fazendo sol, então eles acabam se cansando menos e tendo sono mais tarde, desestruturando toda a rotina da hora de dormir a noite.
E qual foi a solução? O carro, óbvio! Quando eu entrei com eles no carro para eles dormirem a soneca da tarde a primeira vez, eu mentalmente pedi perdão para aquela moça na garagem do meu prédio, e para todas as outras mães que eu já julguei secretamente por fazerem uso dessa ferramenta (muito eficaz, diga-se de passagem). É mágico! Eles estão com sono, mas não conseguem parar para dormir, o carro trás o silêncio, o balancinho, sossego, eles dormem muito rápido! É tentador usar isso para sempre, mas eu ainda tenho a mesma opinião de que isso acaba se tornando uma prisão para os pais.

Pré Julgamentos
Nas últimas férias, nós voltamos para casa com o hábito de fazer eles dormirem no carrinho e depois levar para o berço, esse hábito ficou em casa por uns bons meses até a gente perceber que não estava sendo bom para ninguém, e tomarmos uma atitude. Parece que não, mas as crianças têm uma capacidade de adaptação muito maior do que nós, adultos. Em poucos dias eles se desfazem de um hábito e consideram normal a nova forma apresentada.
Na semana que vem já estaremos de volta em casa, e eu não pretendo levar o hábito junto, é excelente enquanto estamos aqui no ambiente diferente do dia a dia, mas eu não quero isso todo dia mesmo!
Lição aprendida, quando você julga outra mãe, parece que a mesma situação cai na sua testa para você deixar de fazer isso de uma vez por todas, aconteceu comigo… E espero que seja a ultima vez.

Beijos!
Kaká