“Surpreende-me.
Aparece sem eu estar à espera.
Tapa-me os olhos e deixa-me adivinhar-te pelo cheiro, pelo toque.
Rapta-me.
Faz-me sentir menina romântica.
Enfeitiça-me.
Faz-me sentir mulher.
Toma-me nos braços e leva-me para onde nunca estive.
Faz-me sentir pó de estrela, reflexo de lua.
Arrepia-me.
Sussurra-me tudo o que me queres dizer, grita-me tudo o que eu quero ouvir.
Beija-me da cabeça aos pés.
Toca cada poro da minha pele no lusco fusco da neblina lilás da manhã.
Faz-me tremer para depois me aqueceres.
Lê os meus desejos, decifra os meus pensamentos.
Conforta-me nos teus braços.
Devora-me com o teu corpo.
Decora a minha alma.
Tranca os meus segredos mas não os esqueças.
Leva-me para lá do horizonte.
Faz-me acreditar”.

(texto retirado do blog: Cartas de Amor e de Ódio: De vez em quando também consigo ser romântica Todos os créditos/direitos reservados ao autor)