Diferente do que muita gente pensa, o feminismo não é contrário ao casamento. O movimento defende, entre outras coisas, que a mulher seja livre para fazer as próprias escolhas, sem imposições ou obrigações. Se o desejo for casar, que assim seja!

lute-como-uma-mina Meu casamento, minhas regras
Arte ateliê Luiza Pannunzio

Juntos Sempre!

Um casamento feminista não precisa ser diferente de uma cerimônia tradicional. Pode ter o pacote completo, como manda o figurino. Por outro lado, pode subverter algumas regras e deixar a cargo do casal decisões que fogem um pouco do padrão. Afinal, é o desejo conjunto que importa.

casal-sentado-no-chao Meu casamento, minhas regras

O feminino de todas as formas

Se for da vontade da noiva, o vestido não precisa ser necessariamente branco. Alguns ritos e simbolismos também podem ser adaptados. A noiva, por exemplo, pode optar por entrar na igreja acompanhada também pela mãe e não só pelo pai, como ocorre tradicionalmente nas cerimônias.

vestido-colorido Meu casamento, minhas regras

Sem disputas ou competições

A clássica disputa pelo buquê também é uma tradição que muitas noivas preferem não repetir em um casamento feminista. Em vez disso, escolhem distribuir as flores entre as convidadas, apenas como uma demonstração de carinho e gratidão.

lancar-flores Meu casamento, minhas regras


Amizade acima de tudo

A liberdade também está na seleção dos padrinhos e madrinhas. Por que escolher apenas casais? A ideia é reunir pessoas importantes e queridas na vida dos noivos, independente de gênero ou estado civil.

padrinhosamigos-1 Meu casamento, minhas regras


Juntas podemos mais!

Durante o planejamento do grande dia também dá para apoiar as minas. Sim! Que tal procurar mulheres que trabalham no ramo e têm muito talento para mostrar? Dar uma força nessa hora é fundamental para valorizá-las no mercado.

luiza_pannunzio Meu casamento, minhas regras
Atelier Luiza Pannunzio (LP) – Rua Itambé / SP
vestido_LP Meu casamento, minhas regras
Vestido Ateliê LP

Tem mais alguma dica para um casamento feminista? Conta pra gente!