Meninas, vocês já pensaram que um dia nossos amados cães e gatos (e qualquer outro bichinho de estimação) envelhecerão, terão limitações e precisarão mais do que nunca de todo nosso amor e carinho?

Pois é, depois de assistir a Marley & Eu pela enésima vez, me perguntei como seria acompanhar o desenvolvimento dos nossos pets até essa fase, como cuidar deles, entender que estão em um ritmo reduzido, que não se interessam mais em brincar… Questões bem importantes, pois nem sempre entendemos o que se passa com eles! E depois de tantas lágrimas (quem não chorou com esse filme, né) resolvi pesquisar algumas dicas pra dividir aqui com vocês, espero que sejam bem úteis!

oldpets1 Nossos pets também envelhecem

Quando cães e gatos começam a envelhecer é o momento em que necessitam de toda nossa dedicação, são considerados seus anos de ouro, nossa responsabilidade é garantir que eles envelheçam com conforto e fazendo coisas divertidas, embora em outro ritmo – nada disso é fácil, mas devemos tentar.

Não é porque estão velhos que não aprenderão coisas novas, aprenderão sim, porém de forma bem mais lenta, com um pouco de paciência conseguimos ensinar novas rotinas e brincadeiras. A vantagem é que eles se concentram melhor nos treinamentos e seus movimentos ficam mais suaves. Além disso, é importante manter o cérebro ativo e saudável, então mesmo que ele demore a aprender, tenha paciência!

Cães devem continuar exercitando-se na velhice, isso é importante para manterem-se saudáveis e felizes, apenas diminua o ritmo e principalmente a intensidade das caminhadas, por exemplo, mas mantenha uma rotina diária. Exercícios ajudam a manter músculos e articulações fortalecidos, prevenindo assim quedas e possíveis fraturas nessa fase da vida deles.

Se seu gato está idoso e você notou uma perda de peso significativa mesmo ele se alimentando bem, não deixe de procurar um veterinário, pois gatos em idade avançada tem maiores chances de desenvolver uma doença chamada hipertireoidismo, que afeta diretamente seu metabolismo, acelerando-o e causando essa perda de peso. Outros sintomas ainda podem se apresentar, como depressão e fraqueza. Lembrem que essa predisposição se dá em gatos mais velhos, então vale ficarmos atentos.

Beber água é saudável e recomendado, e cães bebem muita água por natureza. Mas se seu pet está bebendo além da conta, se você notou que a ingesta de água dele mudou, isso pode ser um sinal de diabetes, doença renal ou câncer, que são doenças bem graves. Sempre que notar alguma mudança na rotina alimentar de seu pet, vá até o veterinário para esclarecer se é algo temporário ou se trata de uma doença que deve ser levada a sério e tratada.

Gatos idosos costumam miar mais que gatos jovens. Com o tempo já conhecemos os miados dos nossos gatos, não é mesmo? Sabemos quando miam porque querem atenção ou quando miam porque estão com dor. Por isso é tão importante a gente conhecer nosso pet, para poder notar essas mudanças comportamentais que podem esconder doenças. Se notar que seu gato idoso anda utilizando as cordas vocais mais que o habitual ou tem se tornado agressivo, consulte um veterinário.

Conforme a idade do seu pet vai avançando é importante colocar na sua agenda dois check-ups anuais com o veterinário. Essas visitas permitem controlar a saúde deles e manter o nível de bem estar. Sempre fique atenta as mudanças de comportamento que podem indicar algum desconforto ou doença. Se precisar, não hesite em voltar ao veterinário quantas vezes forem necessárias.

Outra dica que achei bem importante e valiosa é que assim como nós trocamos nossos colchões de tempos em tempos porque estão desgastados e não oferecem mais conforto, nossos pets também precisam de uma atenção nessa área, lembrem-se que seus ossos e músculos já não estão tão fortalecidos, pensem na possibilidade de comprar uma caminha e cobertas novas e bem fofinhas para eles. Para casos específicos, existem até caminhas ortopédicas. Um mimo e um cuidado que proporcionam bem estar.

Independente da idade, cães e gatos podem envelhecer de diferentes formas e em tempos também diferentes (mais cedo ou mais tarde). O ideal é acompanharmos o desenvolvimento e as características deles o tempo inteiro, para conhecê-los melhor e reconhecer rapidamente quando houver mudanças. Assim poderemos cuidá-los de verdade e dar a eles a atenção que merecem.

E então, meninas, acho que essas dicas são um tesouro e apesar de muitas delas já estarem presentes na nossa rotina diária com os pets, nunca é demais lembrar! Amor, carinho e cuidado são fundamentais, assim como cuidamos de pessoas queridas – filhos, familiares e amigos – nossos cães e gatos também necessitam desses “itens” básicos para viver bem!!!

Fotos/Via: Pawnation