alimentação


Cinco motivos para não fazer dietas extremas

Para entrar no vestido todo o esforço é pouco, certo? Errado! Dietas extremas podem prejudicar a saúde física e emocional da noiva.

A gente sabe que toda noiva quer se sentir deslumbrante no seu grande dia e que recorrem a todos os tipos de milagres para que isso aconteça: o creme que deixa o cabelo que nem o da Gisele Bünchen, a receita caseira para deixar a pele como bumbum de neném, a prima da amiga da irmã que testou uma mistura ótima para olheiras e, claro, dietas para perder peso rápido.

Perder peso é uma questão de paciência e disciplina, tudo isso aliado a um equilíbrio nutricional e exercícios regulares. Caso você tenha acabado de ficar noiva, procure um nutricionista que irá te pedir alguns exames necessários e indicar uma reeducação alimentar que se adapta ao seu estilo de vida.

Veja cinco motivos para não arriscar com dietas extremas:

1. Elas mexem com o sistema emocional

Antes do casamento, a noiva tem que tomar diversas decisões: onde será a cerimônia, qual a decoração é a ideal, qual o cardápio que agrada a todos, quantas pessoas chamar, qual o vestido que a deixa mais bonita, e por aí vai! Tudo isso muitas vezes está ainda atrelado à turbulência de sair de casa e arrumar o novo cantinho que em breve receberá os recém-casados.

Iniciar uma nova dieta é sobrecarregar ainda mais as exigências e expectativas da noiva, muitas vezes trazendo consequências sérias, como desestabilidade emocional. A noiva já tem um papel muito cobrado socialmente e dar esse empurrãozinho pode significar muitas lágrimas e ansiedade.

Além disso, é comum noivas hiperventilando ou até desmaiando durante ou antes da cerimônia. De acordo com a nutricionista Beatriz Alvarez, existem efeitos colaterais que podem estragar o planejamento:”A falta de carboidrato, principalmente, pode causar fraqueza, sonolência e sensação de desmaio no altar”.

dietas-extremas-a-tu-salud

2. Podem desencadear doenças psicológicas

Segundo o psicólogo Leandro dos Santos, o casamento é um momento muito estressante na vida das mulheres e pode ser um fator desencadeador de alguns transtornos alimentares. “O casamento ainda permanece com algo muito idealizado na cabeça das mulheres e existem noivas que já são extremamente perfeccionistas por natureza. Não é fácil sair da posição de filha (o) para esposa (ou marido)”, conta.

Portanto, todo o cuidado é pouco e também deve-se levar em consideração!

 3. Você pode ter o efeito contrário do que deseja

Sabemos que o objetivo da noiva é entrar linda na igreja, mas a verdade é que a dieta pode ter efeito contrário. A nutricionista Beatriz também conta que a falta de nutrientes, vitaminas e minerais desencadeia efeitos colaterais que comprometem a estética. “Noivas que se aventuram nas dietas extremas sofrem de queda de cabelo, unhas quebradiças e erupções na pele, que comprometem o look do dia”.

Bridal-Fitness1

Veja também: Casamento fitness e Casamento intimista e feliz

4. Você esquece de cuidar da saúde

A dieta extrema está sendo feita somente para o dia do casamento? Não esqueça que a tendência da pele é contrair com o corte na alimentação e esticar com o aumento de gordura depois que o período de ansiedade passar, causando flacidez e estrias, além de não ser nada saudável.

Em dietas extremas, existe somente a preocupação estética, não com a saúde. Por isso, as noivas deixam de lado os nutrientes, vitaminas, minerais e lipídios (sim, nosso corpo também precisa de gordura!), que são necessários para manter a mente sã para o dia tão esperado.

“Não existe uma dieta padrão para todos, por isso a necessidade de se consultar com um especialista, mas existe um item válido para todos: consumir muita água! Também devem estar presentes nas refeições frutas, verduras, legumes e peixes”, informa a nutricionista.

maxresdefault

5. Lembre-se que existe um noivo

Por último e não menos importante: esse dia também diz respeito ao homem da sua vida. E esse homem esteve contigo em todos os momentos do jeitinho que você é, até mesmo naquela tarde de domingo que você comeu uma panela inteira de brigadeiro com o cabelo preso e de pijamas. Por isso, o importante para ele é que você esteja bem, tranquila e feliz no momento de dizer o “sim”.

Leia mais...

Estou noiva! Preciso emagrecer?

Um velho clichê das noivas. Devemos emagrecer?

emagrecer

Não é para todas que a vontade de ser saudável e esportista veio de nascença. No meu caso eu era bastante ativa quando pequena, até que o sedentarismo me pegou de jeito! Vinha ano e voltava e nada de mudanças, até que um belo dia fui pedida em casamento!

Depois desse dia muitas noivinhas começam uma busca incessante por emagrecer, com regimes super restritivos e muita academia. E foi aí que eu fiquei na dúvida: será que devo emagrecer?

Me incomoda um pouco por uma questão de roupa, muita coisa quando estou um pouco mais magra fica melhor. Toda mulher um pouco mais magra fica mais esbelta, né?! Mas nada me faz querer entrar naqueles regimes loucos e 3 horas de academia diárias. Eu não curto o ambiente de academia, sou da turma que prefere andar de bike no parque. E é assim que eu decidi fazer esporte do jeito que gosto. Todos os dias vou andar 1 hora de bike e me alimento bem, de forma saudável.

Penso em procurar uma personal se me animar bastante e também uma nutricionista, caso minha alimentação não esteja sendo suficientemente boa. Por enquanto isso resolve minha vida e não faço questão de perder 7kg, apenas o suficiente para ficar bem e ser saudável.

O que quero dizer com tudo isso é que você deve fazer o que te faz bem. Você tem que ser feliz! Claro que você não deve deixar a preguiça te dominar. Se ela existe você deverá vencê-la e quanto antes fizer isso, melhor será para sua vida.

Comece a fazer alguma coisa 3 vezes por semana. Se alimente bem e veja a real necessidade de emagrecer. É você que quer ou a sociedade? Faça o que é melhor para você. Seja Feliz!

Um grande beijo,

Nika 😉

Leia mais...

10 dicas para a hora da refeição dos pequenos

E pode ser uma loucura essa hora, não?

Olá casamenteiras!

Hoje vou compartilhar com vocês um pouquinho da minha experiência na hora da refeição dos pequenos. Se tem uma coisa que sempre vira pauta de conversa entre as mamães do mundo é a alimentação e sempre estamos preocupadas com algo relacionado a este assunto não é?

Como a Nina e o João mamaram no peito só até os 3 meses, o pediatra deles começou a introdução de sopinhas aos 5 meses e meio! Claro que bem devagar, introduzindo mesmo. Ainda vou fazer um post sobre métodos de alimentação, que não eram tão divulgados quando comecei esse processo com as crianças, e por isso na minha casa foi o método tradicional mesmo.

1- Comece sempre na hora do almoço. Se o seu bebê tiver qualquer dificuldade ou alergia, você ainda tem o dia todo para observar. E sempre que for introduzir um alimento novo, procure manter esse costume de fazê-lo na hora do almoço.

2- Quando começamos as papinhas, eu fazia 3 sabores por vez. Eu descascava, lavava e cortava todos os legumes, verduras e separava em 3 bowls diferentes o que iria em cada sopa. Depois em uma panela eu refogava um pouquinho de alho, cebola e a carne. Dividia o refogado em 3 panelas e adicionava os legumes e verduras. Parece uma dica boba, mas com gêmeos era papinha para todo lado! Sou super a favor de deixar tudo bem prático!

3- O ideal é amamentar exclusivamente até os 6 meses e aí sim introduzir os sólidos, mas nem sempre isso é possível, como no meu caso, para que eles mantivessem o ganho de peso normal e recebessem todos os nutrientes que estavam perdendo por não ter o meu leite, foi necessária a introdução mais cedo. Converse com o pediatra!

4- Depois da fase das sopinhas, lá pelos 9, 10 meses começamos a deixar mais pedacinhos para eles aprenderem a mastigar. Aqui em casa essa fase foi super difícil, eles demoraram muito para aceitar os pedacinhos. O que eu fiz foi sempre colocar um purê bem macio junto. Pode ser de batata, mandioquinha, mandioca, abóbora. Aqui funcionou! E com os meus filhotes o purê é sempre o salvador da pátria! Se eles estão doentinhos, com a garganta irritada e não querem comer nada, purê neles! É infalível! E aí você pode dar uma turbinada no purê cozinhando uma carne junto, outros legumes e verduras. Dica testada e aprovada! 😉

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

5- Confie nas orientações do pediatra que você escolheu. O dos meus filhos por exemplo orientou a colocar carne de boi desde a primeira sopinha, aos 12 meses introduzir o leite tipo A e manter eles tomando pelo menos 500ml de leite por dia até a adolescência. Outro dia eu levei eles em um homeopata antroposófico (vou fazer um post só sobre linhas de pediatria, aguardem), que é uma linha mais “espiritualizada” da homeopatia, gostei muito da consulta, mas a orientação de alimentação dele foi absolutamente contrária a que eu tinha até aquele dia! Sem carne no primeiro ano, sem ovo até os 18 meses e ele acredita que a criança não deva consumir leite de vaca por ter uma proteína de difícil digestão para os pequenos. Entendem? Tudo diferente! Então procure um pediatra que siga a mesma linha que a sua família e fique com ele, senão pode haver confusão de métodos e ideologias.

6- Amo de paixão os babadores de plástico, na minha opinião foi uma das invenções mais praticas neste universo baby nos últimos tempos! Mas só funciona bem depois que o bebê já estiver sentando com firmeza. Antes disso acho melhor os de pano mesmo, o de plástico por ser durinho pode incomodar o pescoço do bebê.

7- Quando seu filho rejeitar algum alimento na primeira vez que você oferecer, não se desespere! O João literalmente vomitou na primeira vez que comeu mamão, odiou, e hoje é a fruta que ele mais gosta! Insista um pouco, ofereça mais vezes e sinta como seu filhote se comporta.

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

8- Desde o começo aqui em casa nós mantemos a televisão, celulares, tablets desligados na hora da refeição. Acho um habito saudável, que coloca o foco no momento da refeição e evita que mais para frente eles comam como robozinhos em frente a tevê, sem nem se dar conta do que estão comendo.

9- Tivemos uma fase que apelidamos de “Boca de Siri”. O João simplesmente parou de comer. Ele até aprendeu a chorar de boca fechada para não correr o risco de eu colocar comida! Hahaha. A primeira vez que aconteceu, eu fiquei desesperada, tudo que queremos como mães é que os nossos filhos se alimentem bem, e cresçam fortes e saudáveis. Quando um filho começa a comer mal, normalmente a situação rapidamente se transforma em um baita drama. O que eu aprendi, é que as crianças já vem de fábrica com uma capacidade incrível de reconhecer os nossos pontos fracos. Portanto, keep calm que tudo dá certo. Como meu pediatra me disse, ninguém morre de fome na frente de um prato de comida, mas todo cuidado é pouco, não vale oferecer um leite ou lanchinho no lugar da comida. Se não comeu ou é por que não está a fim de comer ou está sem fome mesmo. Talvez seja a hora de tirar o suco da manhã. E sempre oferecer o alimento na hora certa. É incrível, mas como num passe de mágica eles voltam a comer tudo!

10- Sou super a favor de segurar ao máximo algumas coisas na alimentação. Não acho que bebês e crianças precisam experimentar refrigerante ou açúcar, por exemplo. Minha mãe morre de dó porque eu dou iogurte natural para eles, sem adoçar nem com um melzinho, mas eles nem sabem como é o doce de verdade, e se os últimos estudos que eu li estiverem corretos, parece que nos 2 primeiros anos de vida é que desenvolvemos os hábitos alimentares que levaremos para a vida toda. Sabendo disso, o que custa apresentar os alimentos saudáveis e uma dieta balanceada? Eles terão a vida toda para se entupir de pizza e brigadeiro. Apesar que brigadeiro eles já comeram (hihihi).  Sem extremos! Foca no saudável!

Meninas, se tiverem alguma dúvida ou sugestão, por favor, escrevam nos comentários. Vou ficar super feliz em responder!

Beijos!

Kaká

Leia mais...

O que será que tem na sopa do neném?

Será que tem espinafre? Será que tem tomate? Será que tem agrião?

Brincar é bom e se alimentar é melhor ainda, mas nós mamães sabemos que às vezes é difícil fazer seu pequeno comer coisas que são importantes para a saúde deles. Por isso mesmo que trouxemos algumas dicas de como tornar alguns alimentos interessantes para o seu filho.

 

Acerola – Rica em vitamina C, a acerola pode ser batida junto com suco de laranja, assim o gosto ácido da fruta passa desapercebido. Você também pode fazer uma calda com tomilho, ou outros temperos, para acompanhar peixes e aves.

Fígado – Riquíssimo em ferro, o fígado ajuda a aumentar as defesas do organismo. O gosto forte acaba sendo o principal motivo pra sua rejeição. Para reduzir esse sabor, deixe marinando em suco de limão. Outra saída é moer junto com a carne moída e fazer hambúrgueres para a criançada.

Leite – Importantíssimo para a aquisição de cálcio, que é fundamental para a formação dos dentes e ossos. Rico em fíbras, este líquido também é muito importante para a musculatura. Milk shakes e vitáminas são mais do que recomendados. Lembre-se dos derivados do leite, como o queijo e o iogurte e diversifique a alimentação de seu filho.

Peixe – Além do ferro, o peixe é uma ótima fonte de ômega 3 e ômega 6, que ajudam no desenvolvimento cerebral do seu filho. Prefira peixes de água salgada, eles são menos gordurosos. Apostar em sticks de peixe pode ser uma boa saída.

Espinafre – Rico em ferro e zinco, este alimento atua diretamente no sistema neurológico, sendo extremamente importante para a concentração e a memória. Uma ideia para cozinhar o espinafre é usá-lo como recheio de tortas, quichês e bolinhos.

Alface – Um depósito natural de fíbras e vitamina K, que é importante para a coagulação sanguínea. Você pode caprichar em saladas coloridas. As cores chamam atenção das crianças, então capriche.

Cenoura – Rainha da vitamina A, é super importante para a percepção de cores e formas, além de ajudar na manutenção do globo ocular. Uma boa forma de produzir esse alimento é grelhá-lo junto com outros legumes. Azeite de oliva e alecrim ajudam a acentuar o sabor das leguminosas.

Comida é coisa séria e ensinar seu filho a se alimentar é um longo caminho. Algo que pode ajudar é levá-lo para comprar os alimentos junto com você, assim ambos passam mais tempo juntos e ele aprende muito mais sobre sua alimentação.

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS