babá


Relação mãe / sogra / babá

Olá casamenteiras, tudo incrível?

Hoje eu li o desabafo de uma babá que ama o seu trabalho e suas crianças, mas tem sérios problemas com as avós. Que situação!

Eu não tenho sogra, a minha se foi super nova, quando meu marido ainda era novinho. Mas a minha mãe é super presente na vida das crianças, e vira e mexe faz aquelas coisas que toda avó faz, sabem?

Engraçado que quando eu me casei, ela tinha tanto medo de ser uma sogra chata, que eu e meu marido tínhamos que literalmente implorar uma opinião dela. Ela não queria se meter em absolutamente nada, mas quando as crianças nasceram, aí são os netos dela né? Tudo mudou.

Ela ainda consegue se manter bem tranquila, e o que eu falo é (quase) lei, mas ela argumenta, tenta me convencer da opinião dela, mas nada grave, e honestamente, acho que vou “estragar” os meus netos tanto quanto ou mais! Outra coisa que ela deixou bem claro para mim é que ela já educou dois filhos e fez o papel de chata, agora com os netos ela não quer educar não, quer só alegria! Tá certa ela!

Acontece que eu tenho amigas que já perderam babás ótimas por causa de suas mães ou sogras. As vezes por causa de um combinado das duas! A mãe das crianças dá uma ordem, ai chegam às avós e dão outras ordens, e a coitada da babá fica em uma situação super complicada.

Como ela vai desobedecer as avós? E pior, como ela vai conversar com você e “falar mal” da sua mãe ou sogra? Não é uma situação super difícil? Eu acho!

Para vocês terem uma ideia do tanto que as avós fazem diferença no dia a dia dos pequenos, fui visitar uma escola essa semana para conhecer (estamos nessa fase aqui!) e a diretora me disse que muitas vezes a criança muda da água para o vinho, fica irritada, agressiva e suuuuper mimada. A primeira coisa que a escola faz é ligar e perguntar se tem alguma vovó em casa, acreditam? Os mimos e alterações na rotina deixam os pequenos confusos e como eles não tem maturidade ainda para lidar com isso, eles mudam totalmente o comportamento.

Nós aqui em casa temos a “adaptação pós feriado”. Passamos quase todos os feriados no condomínio que a minha mãe mora no interior de São Paulo, e a volta para casa e rotina são sempre uma loucura! Não querem comer o que tem, não querem dormir na hora certa, ufa!

Manha pós feriado

O conflito mãe/sogra/babá acontece muito com as mamães que trabalham fora, e não estão por perto no dia a dia para ver o que acontece.

Pensei bastante sobre isso e seguem as minhas observações.

– Se você contratou essa babá para cuidar da sua jóia mais preciosa é porque você confia nela, certo? Deixe isso bem claro para ela, não só com os cuidados das crianças, mas em relação a palavra e opiniões dela. É importante que essa profissional se sinta segura e protegida por você.

– Sem deixar que vire uma coisa debochada, mostre para ela que você sabe que as avós são duronas, e que ela pode falar com você caso se sinta incomodada.

– Converse também com a babá sobre as regras da casa, e deixe bem claro que são estabelecidas por você, qualquer mudança deve ser consultada. Peça que ela te ligue nesses casos.

meditação

– Em um papo super reto, exponha a forma como a sua casa funciona para sua mãe e sogra. Elas também são mulheres que tiveram filhos e sogras, e também devem ter sofrido com algo parecido. Diga que na casa delas pode (quase) tudo, mas na sua tem regras e rotinas a serem cumpridas. Elas vão entender, pode ser que você precise reforçar esse ponto algumas vezes, mas no fundo, no fundo, elas vão entender.

– E por fim, tente ficar calma e tranquila. Assim fica mais difícil de você perder o controle e de repente uma profissional maravilhosa que tanto te ajuda, não é mesmo?

Um beijão,

Kaká

Leia mais...

A escolha da babá

Gente! Não tem coisa mais difícil do que conseguir uma boa babá, principalmente porquê, para cuidar dos nossos filhos, somos muito mais que exigentes, não é mesmo?

Meu filhote já está com 6 meses e, graças à Deus, está em ótimas mãos. A babá do Rafa já tinha cuidado do meu sobrinho, por isso não passei por este dilema. Mas eu sei muito bem que este é um assunto polêmico, por isso merece ser abordado, né? Foi então que dei de cara com este super post no blog Ask Mi, da Marina Xandó, fofa e mãe da Maria Victoria (1 ano e 6 meses).

Lá ela deu dicas de quem já passou por isto, e eu complementei com alguns pontos que também acho importantes. Confere!

O primeiro passo é entrar em contato com uma agência especializada em babás ou falar com o maior número de amigos para receber uma indicação. Depois disso, marque a entrevista.

Na entrevista:

1. A aparência é o cartão de visita. Além disso, cheque se ela trouxe os documentos necessários como RG, currículo, comprovante de residência, telefones de lugares que ela já trabalhou;

2. Comece falando do seu filho, da rotina dele, etc.. Se você estiver grávida, fale um poquinho sobre o bebê (quantos meses de gestação, o sexo, quando vai nascer). Aqui, a ideia é verificar se há um interesse por parte da babá, principalmente se a criança já estiver nascido. Mesmo que a babá seja tímida, ela pode mostrar através da postura, gestos, se está interessada na criança. A Marina acha super importante, e eu também!!

3. Depois, passe para as questões mais práticas, como:

* Há quanto tempo ela trabalha como babá;

* Quais lugares que ela já trabalhou e qual era a idade das crianças que cuidou. Perceba aqui se ela fala com carinho sobre as crianças que ela cuidou. E quanto tempo ela ficou em cada emprego;

* Pergunte como era a rotina nas 2 últimas casas que ela trabalhou, as brincadeiras que ela fazia, a alimentação, viagens, etc;

* Questione se ela ainda tem contato com as crianças que cuidou;

* Porque saiu dos antigos trabalhos – Fundamental saber o porquê!;

* Se ela tem costume de viajar com a família;

* Se ela fuma ou bebe;

* Se possui ou se já teve algum problema de saúde;

* Como está o seu estado de saúde atual;

4. Depois de tirar todas suas dúvidas, traga os pontos que são pré-requisitos para trabalhar com você. Deixe claro que ela deve estar de acordo, se não nem se enquadra na vaga:

* Celular deve ser usado somente em em situações especiais (se um parente dela estiver doente, se ela estiver esperando uma ligação importante, etc). caso contrário, não usar enquanto estiver trabalhando;

* Informe como devem ser as roupas durante o horário do trabalho (se vai usar uniforme ou não). Se preferir, comunique que quer o cabelo sempre preso e que ela não use perfume.

* Deixe claro como funcionarão as folgas (semanais, um final de semana sim outro não, etc);

* Combine se o emprego é para morar ou passar dia. Se for para morar no emprego, enfatize que cuidar de um bebê é puxado e é preciso paciência e dedicação;

* Esclareça como serão os feriados;

* Deixe claro que atrasos e faltas só serão admitidos em situações urgentes e sérias. E que imprevistos devem ser comunicados o mais rápido possível;

* Pergunte um pouco sobre sua vida pessoal, com perguntas básicas como: se ela é casada, se tem filhos, se tem namorado, onde mora;

* Combine o salário previamente.

Se a criança já nasceu: No meio da entrevista, traga a criança para que a babá conheça. Neste momento analise seus gestos e comportamento. Mesmo que ela esteja tímida ou esteja com vergonha, você poderá perceber um pouco do seu jeito ou personalidade, fique atenta!

5. No final da entrevista, se você gostou da babá, o próximo passo é ligar para os lugares que ela trabalhou e pedir referências. Nestas ligações pergunte detalhes, como a rotina na casa, onde as crianças estudam, se a babá costumava viajar com a família. Também não esqueça de tirar a certidão de antecedentes criminais. Coloque no google: “antecedentes criminais de …” (estado em que foi emitido o RG da babá) e insira os dados do RG dela.

Importante: lembre-se, na entrevista, de tirar um xerox do RG da babá (frente e verso) caso ela não tenha levado uma cópia. Isso será importante para você pegar a certidão negativa de antecedentes criminais na internet.

Fotos: reprodução

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS