bebê


A solidão de ser mãe

Oi Casamenteiras, tudo bem?

Quando a gente casa, é uma festa não é? Aquele movimento gostoso da família, amigos, padrinhos. Chá de cozinha, chá bar, chá de lingerie, finalmente o grande dia e tudo é uma festa!

A vida de recém casados também continua nesse ritmo na maioria das vezes. Open House, receber a família pela primeira vez, jantar para os padrinhos, uma loucura muito gostosa. Na minha casa foi exatamente assim, tinha gente em casa pelo menos três ou quatro vezes por semana, toda semana durante os três anos que fiquei casada sem filhos. Minha casa era uma festa e eu amava isso de paixão!

Durante a gravidez, esse ritmo já começa a desacelerar naturalmente, e depois que nascem os filhos muitas mães se sentem sozinhas e as vezes até abandonadas pelos amigos. É natural, as pessoas estão em fases diferentes da vida.

Eu confesso que não sofri nessa fase, acho que eu curti tanto a vida de recém casada com os amigos que ficou tranquilo para mim. E também não quero me gabar aqui, mas os meus amigos são demais! Claro que um ou outro deu uma sumidinha, fases diferentes, churrasco até as 6h da manhã não combina com bebê pequeno em casa, mas olha, a maioria ficou, e ficou mais perto do que nunca! Eu o marido e as crianças somos incluídos em todos os planos, os horários mudam, se adaptam, e sempre damos um jeito de comparecer nos eventos. Amo isso demais!

Mas sei que nem todas as famílias têm essa sorte, e veem seus amigos sumirem aos poucos. Feminismos e machismos a parte, a mulher é normalmente quem mais sente. Geralmente é ela que fica em casa com a cria, às vezes por dias sem colocar os pés na rua.

Eu vejo essa situação da seguinte forma, não dá para esperar que a sua vida seja igual a vida de antes de ter filhos, não combina. Bebês precisam de rotina, sossego, e proporcionar isso aos filhos não causa sofrimento nenhum, é tão natural, você simplesmente faz e sem reclamar. As pessoas acabam sofrendo por causa do comportamento dos outros, no caso os amigos que somem, e isso não tem como controlar, então é inútil sofrer.

Pode ser que você tenha mudado muito, aliás, tenho certeza que você mudou. Será que você não assumiu uma postura mais fechada e reservada sem perceber? Por que isso é totalmente natural para mamães de primeira viagem. E os seus amigos sem filhos não são obrigados a entender isso.

Eu lembro que no começo, logo que eles nasceram, meu único assunto eram bebês. Por um tempo eu nem percebi, mas é tão natural, eu só falava disso, e olha que eu sempre fui super antenada, adoro saber tudo que está acontecendo no mundo, mas é impressionante como essa fase domina a mulher. Não dá para julgar nossos amigos caso eles achem que o nosso único assunto do momento seja um pouco chato para eles, não é?

Se você sente falta de conviver, mostre isso, esteja presente, dê seus pulos, adapte os horários, mas não fique em casa sofrendo pela atitude dos outros, não vai resolver nada.

Tenho amigos que nunca tiveram ajuda de ninguém com os filhos e sempre estavam presentes, a pequena deles é acostumada a dormir no carrinho, conhece o sofá da casa de todos os amigos, está em todas! É possível, mas depende muito mais de você e da sua postura do que dos seus amigos.

O que eu posso prometer para você é que conforme nossos pequenos crescem, as coisas mudam muito. Vamos criando coragem de sair da rotina as vezes, eles aguentam muito melhor os eventos e viram companheirões em tudo. Claro que tem limites, mas se você escolheu ter filhotes, já sabia que isso estaria no pacote e tenho certeza que olhando para o seu pequeno ou pequena, você não trocaria o que tem por nada nesse mundo!

Feliz Ano Novo!

Escrevi esse texto hoje, pois sei que tem muitas mamães por aí que vão ficar em casa com seus bebês enquanto os amigos estarão nas festas de Ano Novo por aí. Sem tristeza meninas! Você tem um tesouro aí no seu colo, e é só uma questão de tempo para você voltar a “vida normal”só que com a melhor companhia do mundo! O seu filhote!

Feliz Ano Novo! Muita Luz, Paz, Alegria e Amigos!

Beijos,

Kaká

Leia mais...
Casare - Seu Site de Casamento mais Elegante!

Rotina? Você vai mudar de idéia!

Olá casamenteiras, tudo bem?

Sempre ouvimos que a rotina não é algo bom, frases como “fuja da rotina”, “não caia na rotina” são super comuns, principalmente quando se fala de relacionamentos. Mas olha, com bebês e crianças em casa, a rotina é o que mantém a sanidade mental de toda a família.

Bebês nascem sem a menor noção do que é dia ou noite, para eles não faz a menor diferença. Esse relógio biológico vai se regulando com o tempo, e até isso temos que ensinar para nossos pacotinhos.

Criar uma rotina também gera uma sensação boa de segurança para os pequenos, parte dos choros nos primeiros meses são atribuídos a essa sensação de não saber nada, não entender como as coisas funcionam fora da barriga quentinha da mamãe.

Eles não têm controle de temperatura, limite de espaço e nem são alimentados o tempo todo como eram na nossa barriga, e isso incomoda. Se nós adultos, já ficamos com saudades de casa quando viajamos por muito tempo porque o banheiro não é o mesmo, a comida, a cama, até os cheiros, imagina para eles que não conhecem outra vida?

Bebê comendo

Muita novidade cansa! E a rotina é uma aliada incrível para solucionar esse momento de aprendizado para os bebês. No meu caso, a rotina realmente é até hoje um caso de sobrevivência. Ontem mesmo o João não tirou a soneca pós almoço na hora de sempre, ficou insuportável de sono o dia inteiro, acabou cochilando por meia hora as cinco da tarde e foi o suficiente para ele ir dormir quase meia noite! Os pequenos não tem maturidade para decidir o que fazer, isso é papel dos responsáveis, nós é que temos que colocar os limites, ensinar disciplina e manter a roda viva do dia a dia girando, pelo bem de todos.

Ter os momentos do dia a dia mais ou menos no mesmo horário pode dar a sensação de prisão para alguns, mas para mim trás liberdade. Saber exatamente a hora que as coisas vão acontecer, fome, sono, brincadeiras, filminho, dá a liberdade de se planejar para qualquer coisa, desde uma pizza ou churrasco com os amigos, até uma viagem. Eu sei por exemplo que as nove horas os meus filhos estão dormindo e vão até o dia seguinte, sempre que vamos receber amigos para jantar, ou algum outro programa, já coordenamos os horários para todos aproveitarem ao máximo.

Além do benefício para os pequenos, a rotina também é muito importante para o casal. O fato das crianças dormirem cedo e todos os dias no mesmo horário também me deixa livre para dar atenção total para o marido e para mim também. Tomar um banho gostoso, jantar com dignidade, assistir um filme, ler um livro, nossa! Eu amo rotina! Rsrsrs

dormindo

Para introduzir a rotina, uma boa ferramenta são os rituais. Para a hora de dormir por exemplo, luz baixa, uma música gostosa, um cheiro, eu pingo uma gotinha de essência de lavanda no travesseiro de cada um, eles associam esse aroma a hora de dormir, mas você pode criar o que quiser. O importante é que todos os dias aconteça tudo na mesma ordem, e no mesmo horário, em pouco tempo eles pegam o jeito e entram na dança. Eu recomendo muito, não consigo imaginar a minha vida com as crianças sem saber o que vem depois. Claro que uma aventura de vez em quando é necessário e até bem divertido, mas só dá para ser uma aventura se for de vez em quando né? Prefiro assim… e vocês?

Beijos

Kaká

Leia mais...

The secret life of babies

Eles não quebram!

Quando chegamos em casa com aquele pacotinho (ou dois no meu caso), meio sem saber o que fazer, coloco no berço? Deixo no sofá? Em cima da mesa? Hahaha

Ficamos perdidas, ainda sob o efeito daquela experiência maluca que é sair de dentro de você um ser completinho, pronto, um bebê!
Ele parece tão frágil, dá medo de tudo, não é? Mas pode confiar, a Mãe Natureza não dá ponto sem nó.

Fonte: Morgue File

Fonte: Morgue File

Continue lendo »

Leia mais...

10 coisas que eu aprendi sendo mãe de gêmeos

Olá casamenteiras,

Hoje vou contar sobre algumas coisas que eu aprendi sendo mãe de dois bebês ao mesmo tempo. É uma loucura, correria, cansativo demais, mas é extremamente recompensador, é tudo em dobro, inclusive as fofuras!

1- Contar aos amigos e familiares

Eu, por neura minha, só contei até para a minha família que estava grávida depois que a gestação passou das 12 semanas. Contei para toooodo mundo em um final de semana, foi uma loucura! Mas hoje eu lembro da reação das pessoas e eu me arrependo de não ter filmado ou gravado de alguma forma. A notícia de uma gravidez é sempre uma alegria, e a notícia de gêmeos é muito legal, as reações das pessoas são muito engraçadas! Se puder, filme todo mundo, dá um registro muito gostoso de assistir depois.

2- Obedeça o seu médico

Meninas, a gravidez gemelar é considerada gravidez de risco. Por favor, não façam nenhuma loucura, se cuidem, vão a maior quantidade de consultas pré-natais que conseguirem. O segredo é prestar atenção ao seu corpo e reportar qualquer diferença que você sentir. Não tenha medo de incomodar o médico, ele está lá para isso mesmo. E obedeça toda e qualquer orientação do seu obstetra. Isso é muito importante.

3- Fotos do barrigão

Tire fotos, muitas fotos da evolução da sua gravidez, toda semana se for possível, é provável que se for a primeira, seja a sua única gestação, registre! Eu me lembro o quanto eu curtia ver as fotos da minha mãe grávida de mim quando eu era criança. Lá pela semana 30 ou 32 da sua gestação, se você puder, contrate um fotógrafo profissional para registrar o barrigão, você não vai se arrepender.

Fonte: arquivo pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal – by Samara Rifai Fotografia

4- Eu não sou a mulher maravilha!

Sim, este item é para as mamães mais duronas que querem fazer tudo sozinhas! Quando a Nina e o João nasceram, minha mãe, que mora no interior de São Paulo veio ficar comigo. Ela ficou morando em casa por 2 meses e meio e eu confesso que quando ela foi embora eu chorei. Chorei de medo de ficar sozinha, de fazer alguma besteira, ou do cansaço não me permitir ser a mãe que eu queria ser. Contratei ajuda e graças a Deus deu tudo certo! Mas eu tenho certeza que no meu caso, se eu não tivesse ajuda, eu seria uma mãe que iria passar o dia rezando para eles dormirem e a noite chorando porque eles não dormem! Chega a ser perigoso, na minha opinião, uma pessoa com o nível de cansaço que gêmeos podem causar sem dormir, não raciocina direito e os acidentes podem acontecer. Meu lema é mãe sã, filhos mais felizes!

Aceitem ajuda! De onde vier, mãe, pai, sogra, cunhada, irmãos, amigos ou se puder, contrate alguém pelo menos por um período.

5- Você está no comando.

Eu não aceitei visitas na minha casa nos primeiros dois meses. Algumas de vocês podem dizer: Uau Karina! Que exagero! Pois é, eu fiz isso sim! Morria de medo de alguém trazer alguma doença, virose ou qualquer coisa do tipo. Até o meu marido eu fazia trocar de roupas quando chegava em casa. E mesmo assim quando eles tinham 3 meses eu peguei uma baita conjuntivite e não podia nem encostar neles, imaginem a situação. Não ceda as pressões de amigos e familiares, o momento é seu, os filhos são seus e os medos também. Siga seus instintos, você é quem manda! Ok?

6- Sem neura!

Normalmente, gemelares nascem menores por causa do tempo de gestação, que normalmente é menor. Até os 3 meses, eles não tem as vacinas e são realmente muito molinhos e parecem muito frágeis. Ter uma certa “neura” nessa fase é normal, mas passando isso tente relaxar. Você não vai ter tempo para ser uma mãe neurótica! Acordar para ver se está respirando toda hora, esterilizar a chupeta toda vez que cair no chão, lavar as roupinhas na mão, e por aí vai… Relaxe! Logo logo eles estarão sorrindo e não vai caber no seu peito o que você vai sentir! Não perca este momento passando Lysoform no teto da sua casa!

7- Ouça e procure outras mães de gêmeos

Encontrar informações sobre gestação e bebês gêmeos em português pode ser um desafio. Suas amigas que tiveram um bebê por vez não tem a menor idéia pelo que você está passando, portanto, viu um carrinho de gêmeos na rua? Coooorre e vai puxar papo, pergunte, divida, eu sei que parece loucura, mas nessa hora quem vai te entender e poder te ajudar é quem já passou ou está passando pela mesma experiência. Eu adoro quando grávidas de gêmeos me abordam na rua para perguntar sobre o carrinho, berços, quarto, curto muito poder ajudar.

Quem teve um bebê por vez, só consegue imaginar o trabalho que tem e multiplicar isso por dois ou três. E não é bem assim, enquanto meus amigos me olhavam com um olhar de dó, as mães de gêmeos vibravam e só repetiam o quanto essa experiência é incrível e o quanto eu ia amar ter gêmeos, isso me animou muito.

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

8- Amamentação

É possível sim amamentar gêmeos exclusivamente. Conheci algumas mães que conseguiram. Eu, não consegui. Amamentei até os três meses e nunca foi exclusivo, sempre dava um complemento de fórmula depois. Não se frustre e principalmente, não se culpe por não conseguir amamentar por muito tempo ou exclusivamente. Faça o seu melhor, converse bastante com o pediatra e fique em paz. Meus filhos tomaram fórmula exclusivamente a partir dos 3 meses e estão ótimos, saudáveis e felizes. Não é o ideal? Não, não é, mas foi o melhor que eu pude fazer.

9- Rotina

Rotina e bebê, são duas palavras que combinam muito. O bebê se sente mais seguro quando existe uma rotina estabelecida, ele pode não entender muita coisa, mas ele tem certeza do vem em seguida, isso os deixa mais tranquilos. No caso de gêmeos a rotina é indispensável e sem ela, mamãe e papai correm o risco de ficarem maluquinhos! Crie a rotina conforme os costumes da sua casa e tente não alterar muito as coisas. Aqui temos hora para tudo, e no caso de gêmeos é importante sincronizar os bebês. Eles acordam, mamam, brincam, comem, tiram a soneca, tudo juntos e ao mesmo tempo. Isso facilitou demais a nossa vida.

10- Comparação

Não compare e nem deixe ninguém comparar o desenvolvimento, temperamento ou qualquer outro aspecto dos seus filhos. Cada um tem o seu ritmo e comparar só trás desconfortos e vão aos poucos minando a autoconfiança e a individualidade de cada um. Isso na minha opinião é super importante e as vezes eu me pego comparando, é natural. Mas me policio o tempo todo para não fazer e principalmente na frente deles.

Eu poderia escrever as 20 ou 30 coisas que eu aprendi sendo mãe de gêmeos, é uma experiência intensa todos os dias, mas o texto já ficou enorme e temos todo tempo do mundo para conversar.

Se tiverem dúvidas ou sugestões deixem nos comentários ou me escrevam no conteudo@casamenteiras.com.br

Beijos Continue lendo »

Leia mais...
Facebook Twitter Instagram Pinterest RSS Facebook Twitter Instagram Pinterest RSS