bebês


10 dicas para a hora da refeição dos pequenos

E pode ser uma loucura essa hora, não?

Olá casamenteiras!

Hoje vou compartilhar com vocês um pouquinho da minha experiência na hora da refeição dos pequenos. Se tem uma coisa que sempre vira pauta de conversa entre as mamães do mundo é a alimentação e sempre estamos preocupadas com algo relacionado a este assunto não é?

Como a Nina e o João mamaram no peito só até os 3 meses, o pediatra deles começou a introdução de sopinhas aos 5 meses e meio! Claro que bem devagar, introduzindo mesmo. Ainda vou fazer um post sobre métodos de alimentação, que não eram tão divulgados quando comecei esse processo com as crianças, e por isso na minha casa foi o método tradicional mesmo.

1- Comece sempre na hora do almoço. Se o seu bebê tiver qualquer dificuldade ou alergia, você ainda tem o dia todo para observar. E sempre que for introduzir um alimento novo, procure manter esse costume de fazê-lo na hora do almoço.

2- Quando começamos as papinhas, eu fazia 3 sabores por vez. Eu descascava, lavava e cortava todos os legumes, verduras e separava em 3 bowls diferentes o que iria em cada sopa. Depois em uma panela eu refogava um pouquinho de alho, cebola e a carne. Dividia o refogado em 3 panelas e adicionava os legumes e verduras. Parece uma dica boba, mas com gêmeos era papinha para todo lado! Sou super a favor de deixar tudo bem prático!

3- O ideal é amamentar exclusivamente até os 6 meses e aí sim introduzir os sólidos, mas nem sempre isso é possível, como no meu caso, para que eles mantivessem o ganho de peso normal e recebessem todos os nutrientes que estavam perdendo por não ter o meu leite, foi necessária a introdução mais cedo. Converse com o pediatra!

4- Depois da fase das sopinhas, lá pelos 9, 10 meses começamos a deixar mais pedacinhos para eles aprenderem a mastigar. Aqui em casa essa fase foi super difícil, eles demoraram muito para aceitar os pedacinhos. O que eu fiz foi sempre colocar um purê bem macio junto. Pode ser de batata, mandioquinha, mandioca, abóbora. Aqui funcionou! E com os meus filhotes o purê é sempre o salvador da pátria! Se eles estão doentinhos, com a garganta irritada e não querem comer nada, purê neles! É infalível! E aí você pode dar uma turbinada no purê cozinhando uma carne junto, outros legumes e verduras. Dica testada e aprovada! 😉

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

5- Confie nas orientações do pediatra que você escolheu. O dos meus filhos por exemplo orientou a colocar carne de boi desde a primeira sopinha, aos 12 meses introduzir o leite tipo A e manter eles tomando pelo menos 500ml de leite por dia até a adolescência. Outro dia eu levei eles em um homeopata antroposófico (vou fazer um post só sobre linhas de pediatria, aguardem), que é uma linha mais “espiritualizada” da homeopatia, gostei muito da consulta, mas a orientação de alimentação dele foi absolutamente contrária a que eu tinha até aquele dia! Sem carne no primeiro ano, sem ovo até os 18 meses e ele acredita que a criança não deva consumir leite de vaca por ter uma proteína de difícil digestão para os pequenos. Entendem? Tudo diferente! Então procure um pediatra que siga a mesma linha que a sua família e fique com ele, senão pode haver confusão de métodos e ideologias.

6- Amo de paixão os babadores de plástico, na minha opinião foi uma das invenções mais praticas neste universo baby nos últimos tempos! Mas só funciona bem depois que o bebê já estiver sentando com firmeza. Antes disso acho melhor os de pano mesmo, o de plástico por ser durinho pode incomodar o pescoço do bebê.

7- Quando seu filho rejeitar algum alimento na primeira vez que você oferecer, não se desespere! O João literalmente vomitou na primeira vez que comeu mamão, odiou, e hoje é a fruta que ele mais gosta! Insista um pouco, ofereça mais vezes e sinta como seu filhote se comporta.

 

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

 

8- Desde o começo aqui em casa nós mantemos a televisão, celulares, tablets desligados na hora da refeição. Acho um habito saudável, que coloca o foco no momento da refeição e evita que mais para frente eles comam como robozinhos em frente a tevê, sem nem se dar conta do que estão comendo.

9- Tivemos uma fase que apelidamos de “Boca de Siri”. O João simplesmente parou de comer. Ele até aprendeu a chorar de boca fechada para não correr o risco de eu colocar comida! Hahaha. A primeira vez que aconteceu, eu fiquei desesperada, tudo que queremos como mães é que os nossos filhos se alimentem bem, e cresçam fortes e saudáveis. Quando um filho começa a comer mal, normalmente a situação rapidamente se transforma em um baita drama. O que eu aprendi, é que as crianças já vem de fábrica com uma capacidade incrível de reconhecer os nossos pontos fracos. Portanto, keep calm que tudo dá certo. Como meu pediatra me disse, ninguém morre de fome na frente de um prato de comida, mas todo cuidado é pouco, não vale oferecer um leite ou lanchinho no lugar da comida. Se não comeu ou é por que não está a fim de comer ou está sem fome mesmo. Talvez seja a hora de tirar o suco da manhã. E sempre oferecer o alimento na hora certa. É incrível, mas como num passe de mágica eles voltam a comer tudo!

10- Sou super a favor de segurar ao máximo algumas coisas na alimentação. Não acho que bebês e crianças precisam experimentar refrigerante ou açúcar, por exemplo. Minha mãe morre de dó porque eu dou iogurte natural para eles, sem adoçar nem com um melzinho, mas eles nem sabem como é o doce de verdade, e se os últimos estudos que eu li estiverem corretos, parece que nos 2 primeiros anos de vida é que desenvolvemos os hábitos alimentares que levaremos para a vida toda. Sabendo disso, o que custa apresentar os alimentos saudáveis e uma dieta balanceada? Eles terão a vida toda para se entupir de pizza e brigadeiro. Apesar que brigadeiro eles já comeram (hihihi).  Sem extremos! Foca no saudável!

Meninas, se tiverem alguma dúvida ou sugestão, por favor, escrevam nos comentários. Vou ficar super feliz em responder!

Beijos!

Kaká

Leia mais...

10 coisas que eu aprendi sendo mãe de gêmeos

Olá casamenteiras,

Hoje vou contar sobre algumas coisas que eu aprendi sendo mãe de dois bebês ao mesmo tempo. É uma loucura, correria, cansativo demais, mas é extremamente recompensador, é tudo em dobro, inclusive as fofuras!

1- Contar aos amigos e familiares

Eu, por neura minha, só contei até para a minha família que estava grávida depois que a gestação passou das 12 semanas. Contei para toooodo mundo em um final de semana, foi uma loucura! Mas hoje eu lembro da reação das pessoas e eu me arrependo de não ter filmado ou gravado de alguma forma. A notícia de uma gravidez é sempre uma alegria, e a notícia de gêmeos é muito legal, as reações das pessoas são muito engraçadas! Se puder, filme todo mundo, dá um registro muito gostoso de assistir depois.

2- Obedeça o seu médico

Meninas, a gravidez gemelar é considerada gravidez de risco. Por favor, não façam nenhuma loucura, se cuidem, vão a maior quantidade de consultas pré-natais que conseguirem. O segredo é prestar atenção ao seu corpo e reportar qualquer diferença que você sentir. Não tenha medo de incomodar o médico, ele está lá para isso mesmo. E obedeça toda e qualquer orientação do seu obstetra. Isso é muito importante.

3- Fotos do barrigão

Tire fotos, muitas fotos da evolução da sua gravidez, toda semana se for possível, é provável que se for a primeira, seja a sua única gestação, registre! Eu me lembro o quanto eu curtia ver as fotos da minha mãe grávida de mim quando eu era criança. Lá pela semana 30 ou 32 da sua gestação, se você puder, contrate um fotógrafo profissional para registrar o barrigão, você não vai se arrepender.

Fonte: arquivo pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal – by Samara Rifai Fotografia

4- Eu não sou a mulher maravilha!

Sim, este item é para as mamães mais duronas que querem fazer tudo sozinhas! Quando a Nina e o João nasceram, minha mãe, que mora no interior de São Paulo veio ficar comigo. Ela ficou morando em casa por 2 meses e meio e eu confesso que quando ela foi embora eu chorei. Chorei de medo de ficar sozinha, de fazer alguma besteira, ou do cansaço não me permitir ser a mãe que eu queria ser. Contratei ajuda e graças a Deus deu tudo certo! Mas eu tenho certeza que no meu caso, se eu não tivesse ajuda, eu seria uma mãe que iria passar o dia rezando para eles dormirem e a noite chorando porque eles não dormem! Chega a ser perigoso, na minha opinião, uma pessoa com o nível de cansaço que gêmeos podem causar sem dormir, não raciocina direito e os acidentes podem acontecer. Meu lema é mãe sã, filhos mais felizes!

Aceitem ajuda! De onde vier, mãe, pai, sogra, cunhada, irmãos, amigos ou se puder, contrate alguém pelo menos por um período.

5- Você está no comando.

Eu não aceitei visitas na minha casa nos primeiros dois meses. Algumas de vocês podem dizer: Uau Karina! Que exagero! Pois é, eu fiz isso sim! Morria de medo de alguém trazer alguma doença, virose ou qualquer coisa do tipo. Até o meu marido eu fazia trocar de roupas quando chegava em casa. E mesmo assim quando eles tinham 3 meses eu peguei uma baita conjuntivite e não podia nem encostar neles, imaginem a situação. Não ceda as pressões de amigos e familiares, o momento é seu, os filhos são seus e os medos também. Siga seus instintos, você é quem manda! Ok?

6- Sem neura!

Normalmente, gemelares nascem menores por causa do tempo de gestação, que normalmente é menor. Até os 3 meses, eles não tem as vacinas e são realmente muito molinhos e parecem muito frágeis. Ter uma certa “neura” nessa fase é normal, mas passando isso tente relaxar. Você não vai ter tempo para ser uma mãe neurótica! Acordar para ver se está respirando toda hora, esterilizar a chupeta toda vez que cair no chão, lavar as roupinhas na mão, e por aí vai… Relaxe! Logo logo eles estarão sorrindo e não vai caber no seu peito o que você vai sentir! Não perca este momento passando Lysoform no teto da sua casa!

7- Ouça e procure outras mães de gêmeos

Encontrar informações sobre gestação e bebês gêmeos em português pode ser um desafio. Suas amigas que tiveram um bebê por vez não tem a menor idéia pelo que você está passando, portanto, viu um carrinho de gêmeos na rua? Coooorre e vai puxar papo, pergunte, divida, eu sei que parece loucura, mas nessa hora quem vai te entender e poder te ajudar é quem já passou ou está passando pela mesma experiência. Eu adoro quando grávidas de gêmeos me abordam na rua para perguntar sobre o carrinho, berços, quarto, curto muito poder ajudar.

Quem teve um bebê por vez, só consegue imaginar o trabalho que tem e multiplicar isso por dois ou três. E não é bem assim, enquanto meus amigos me olhavam com um olhar de dó, as mães de gêmeos vibravam e só repetiam o quanto essa experiência é incrível e o quanto eu ia amar ter gêmeos, isso me animou muito.

Fonte: Dollar Photo Club

Fonte: Dollar Photo Club

8- Amamentação

É possível sim amamentar gêmeos exclusivamente. Conheci algumas mães que conseguiram. Eu, não consegui. Amamentei até os três meses e nunca foi exclusivo, sempre dava um complemento de fórmula depois. Não se frustre e principalmente, não se culpe por não conseguir amamentar por muito tempo ou exclusivamente. Faça o seu melhor, converse bastante com o pediatra e fique em paz. Meus filhos tomaram fórmula exclusivamente a partir dos 3 meses e estão ótimos, saudáveis e felizes. Não é o ideal? Não, não é, mas foi o melhor que eu pude fazer.

9- Rotina

Rotina e bebê, são duas palavras que combinam muito. O bebê se sente mais seguro quando existe uma rotina estabelecida, ele pode não entender muita coisa, mas ele tem certeza do vem em seguida, isso os deixa mais tranquilos. No caso de gêmeos a rotina é indispensável e sem ela, mamãe e papai correm o risco de ficarem maluquinhos! Crie a rotina conforme os costumes da sua casa e tente não alterar muito as coisas. Aqui temos hora para tudo, e no caso de gêmeos é importante sincronizar os bebês. Eles acordam, mamam, brincam, comem, tiram a soneca, tudo juntos e ao mesmo tempo. Isso facilitou demais a nossa vida.

10- Comparação

Não compare e nem deixe ninguém comparar o desenvolvimento, temperamento ou qualquer outro aspecto dos seus filhos. Cada um tem o seu ritmo e comparar só trás desconfortos e vão aos poucos minando a autoconfiança e a individualidade de cada um. Isso na minha opinião é super importante e as vezes eu me pego comparando, é natural. Mas me policio o tempo todo para não fazer e principalmente na frente deles.

Eu poderia escrever as 20 ou 30 coisas que eu aprendi sendo mãe de gêmeos, é uma experiência intensa todos os dias, mas o texto já ficou enorme e temos todo tempo do mundo para conversar.

Se tiverem dúvidas ou sugestões deixem nos comentários ou me escrevam no conteudo@casamenteiras.com.br

Beijos Continue lendo »

Leia mais...

O primeiro carnaval dos pequenos

Amanhã é terça-feira de carnaval e tem mãe ainda desesperada procurando uma fantasia para a primeira folia do filhote. Não dá para perder esse momento, rende fotos lindas e muitas risadas! Tem coisa mais linda que ver os bebês pulando carnaval com fantasias fofas criadas pelas mães? Olha só algumas sugestões que separamos, morrendo de fofura!!

{Quem resiste a esse moranguinho? E o pirata gritando??! A melindrosa toda elegante, a sereia de crochê e a leoa de Oz}

{O tubarão mais lindo do oceano, o sushi mais gostoso da barca, a bonequinha de luxo mais linda q a Audrey Hepburn e a trufa mais recheada do mundo!}

Não dá vontade de apertar? É muita fofura para um post só!!

O melhor é que as ideias são super adaptáveis. Quem se arrisca no crochê para fazer o biquíni da sereia? E a saia de tule da bonequinha de luxo? Mamães, mão na massa!

 

Fotos: Pinterest (Reprodução)

Leia mais...

{Sessão Fotográfica} Luz do Sol e Balões

Meninas, olhem que doçura essa sessão de fotos com a pequena Amelia! Elementos coloridos, luz do sol e balões… tudo ao ar livre, mais perfeito impossível!

Uma sessão fotográfica que acompanha o crescimento dos bebês é algo tão lindo de se ver, né!

E há quem faça mesmo a cada mês uma sessão especial para guardar de recordação desse momento que passa tão rápido! Eu faria.

O essencial é encontrar profissionais que estejam preparados para fotografar bebês, que tenham sintonia e saibam elaborar cenários que deixe-os à vontade e sem sentir estranheza, um cenário aconchegante faz com que esses pequenos seres nos dêem o prazer de ver surgir as melhores cenas que ficarão pra sempre em nossa memória (definitivamente, eles crescem muito rápido)!!!

Tudo isso faz com que o resultado da sessão fotográfica fique super natural e incrivelmente lindo!!!

Primeiro porque todos os bebês são umas fofuras e depois não há cenário que não fique apaixonante com eles por perto! Pura inspiração para as mamães que estão planejando uma sessão de fotos para seus bebês lindos –  e mesmo com o friozinho (pelo menos para quem mora aqui no Sul) dá pra inventar coisas lindas ao ar livre, aproveitando dias ensolarados em parques por exemplo!

Essa sessão foi para comemorar os 6 meses de vida de Amelia. As fotos foram todas feitas ao ar livre aproveitando a claridade que um dia de sol pode proporcionar e o contraste do verde no campo! Maravilhosas imagens com uma bebê super fofa e calminha!

Eu me apaixonei pelas fotos da cesta com balões! E vocês?

 

 

Fotos: Natalie Spencer

 

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS