chegada do bebê


O que sentimos quando o bebê nasce?

Olá casamenteiras, tudo bem?

O assunto de hoje é pessoal e intransferível. O que sentimos quando o bebê nasce.

A sociedade em geral, filmes, revistas, vídeos, fotos, nos fazem acreditar na maternidade perfeita. Na mãe perfeita, na gestação perfeita, e todas essas informações nos deixam super frustradas quando as coisas acontecem diferente com a gente.

Bebê sorrindo

Hoje em dia, graças a Deus existem blogueiras mamães que falam a verdade, que mostram o “lado B” da maternidade, e se tornam uma excelente fonte de informação para evitar essas frustrações.

Para mim, um sentimento que eu não estava preparada era o que eu ia sentir pelos meus filhos quando eles chegassem. Eu estava esperando sentir o amor muito louco, incondicional, viceral que as mães descrevem que sentem pelos seus filhos.

Mas comigo foi diferente, e até hoje eu sinto que esse assunto é um certo tabu entre as mães. Admitir que você não sentiu esse amor logo nos primeiros minutos parece que te torna menos mãe ou uma louca sem coração. Enfim, todas as vezes que toquei nesse assunto com outras mães dava para sentir a tensão no ar. Parece que ninguém gosta de falar disso.

Bebês Gêmeos

Quando eles nasceram, senti um alívio gigante por eles estarem bem e saudáveis, e a primeira coisa que passou na minha cabeça quando o médico trouxe o João para eu ver e eu toquei o rosto dele foi “nossa, que pele macia!” Sim, foi isso mesmo! Eu estava ansiosa por saber o que os pediatras tinham a dizer em relação à saúde deles, se eles iam para incubadora (eles nasceram com 36 semanas e 5 dias e com um peso ótimo, mas a preocupação existe né?), eu queria saber tudo deles, mas eu estava meio anestesiada. E não senti aquele amor todo, o que eu sinto hoje, não dá nem para comparar!

Quando eu percebi que a tal explosão de amor que tantas mulheres relatam não aconteceu comigo, eu me senti tão triste! Tão sozinha, foi um momento muito difícil que eu não tinha coragem de compartilhar com ninguém. Como assim eu tinha acabado de ter dois bebês e não estava transbordando amor? Isso não estava nos meus planos.

Com o passar das horas, a primeira tentativa de amamentar, passando um tempo com eles, meu coração começou a apertar, chegava a doer, o cheiro deles, os barulhinhos, aqueles rostinhos pequenininhos, eu podia ficar pela eternidade olhando para eles. E aconteceu, eu senti o que eu estava esperando.

Mãe com bebê

Explodiu um sentimento em mim, e foi incrível! E o mais impressionante é que esse sentimento só cresce com o passar do tempo. Tem horas que parece que você vai explodir mesmo, por que não é possível caber dentro de você algo desse tamanho! Hoje é maior que ontem e com certeza muito maior do que aquela primeira explosão na maternidade.

Minha intenção com esse texto é passar essa minha experiência, que poderia ter sido evitada se eu tivesse lido um texto como esse.

É perfeitamente normal você não sentir o que você fantasia na sua cabeça logo de cara. E também é

normal você sentir. Cada pessoa é única, cada um no seu tempo e se basear por experiências alheias pode ser perigoso nesse sentido. Você pode se frustrar e ficar triste em um dos dias mais felizes da sua vida!

Eu sei que é difícil não fantasiar e esperar um momento perfeito. Mas tente não elevar tanto as suas expectativas, dessa forma você terá muito mais chances de se surpreender positivamente.

Espero do fundo do coração poder ajudar alguém com essas palavras!

Um beijão!

Kaká

Leia mais...

A escolha da babá

Gente! Não tem coisa mais difícil do que conseguir uma boa babá, principalmente porquê, para cuidar dos nossos filhos, somos muito mais que exigentes, não é mesmo?

Meu filhote já está com 6 meses e, graças à Deus, está em ótimas mãos. A babá do Rafa já tinha cuidado do meu sobrinho, por isso não passei por este dilema. Mas eu sei muito bem que este é um assunto polêmico, por isso merece ser abordado, né? Foi então que dei de cara com este super post no blog Ask Mi, da Marina Xandó, fofa e mãe da Maria Victoria (1 ano e 6 meses).

Lá ela deu dicas de quem já passou por isto, e eu complementei com alguns pontos que também acho importantes. Confere!

O primeiro passo é entrar em contato com uma agência especializada em babás ou falar com o maior número de amigos para receber uma indicação. Depois disso, marque a entrevista.

Na entrevista:

1. A aparência é o cartão de visita. Além disso, cheque se ela trouxe os documentos necessários como RG, currículo, comprovante de residência, telefones de lugares que ela já trabalhou;

2. Comece falando do seu filho, da rotina dele, etc.. Se você estiver grávida, fale um poquinho sobre o bebê (quantos meses de gestação, o sexo, quando vai nascer). Aqui, a ideia é verificar se há um interesse por parte da babá, principalmente se a criança já estiver nascido. Mesmo que a babá seja tímida, ela pode mostrar através da postura, gestos, se está interessada na criança. A Marina acha super importante, e eu também!!

3. Depois, passe para as questões mais práticas, como:

* Há quanto tempo ela trabalha como babá;

* Quais lugares que ela já trabalhou e qual era a idade das crianças que cuidou. Perceba aqui se ela fala com carinho sobre as crianças que ela cuidou. E quanto tempo ela ficou em cada emprego;

* Pergunte como era a rotina nas 2 últimas casas que ela trabalhou, as brincadeiras que ela fazia, a alimentação, viagens, etc;

* Questione se ela ainda tem contato com as crianças que cuidou;

* Porque saiu dos antigos trabalhos – Fundamental saber o porquê!;

* Se ela tem costume de viajar com a família;

* Se ela fuma ou bebe;

* Se possui ou se já teve algum problema de saúde;

* Como está o seu estado de saúde atual;

4. Depois de tirar todas suas dúvidas, traga os pontos que são pré-requisitos para trabalhar com você. Deixe claro que ela deve estar de acordo, se não nem se enquadra na vaga:

* Celular deve ser usado somente em em situações especiais (se um parente dela estiver doente, se ela estiver esperando uma ligação importante, etc). caso contrário, não usar enquanto estiver trabalhando;

* Informe como devem ser as roupas durante o horário do trabalho (se vai usar uniforme ou não). Se preferir, comunique que quer o cabelo sempre preso e que ela não use perfume.

* Deixe claro como funcionarão as folgas (semanais, um final de semana sim outro não, etc);

* Combine se o emprego é para morar ou passar dia. Se for para morar no emprego, enfatize que cuidar de um bebê é puxado e é preciso paciência e dedicação;

* Esclareça como serão os feriados;

* Deixe claro que atrasos e faltas só serão admitidos em situações urgentes e sérias. E que imprevistos devem ser comunicados o mais rápido possível;

* Pergunte um pouco sobre sua vida pessoal, com perguntas básicas como: se ela é casada, se tem filhos, se tem namorado, onde mora;

* Combine o salário previamente.

Se a criança já nasceu: No meio da entrevista, traga a criança para que a babá conheça. Neste momento analise seus gestos e comportamento. Mesmo que ela esteja tímida ou esteja com vergonha, você poderá perceber um pouco do seu jeito ou personalidade, fique atenta!

5. No final da entrevista, se você gostou da babá, o próximo passo é ligar para os lugares que ela trabalhou e pedir referências. Nestas ligações pergunte detalhes, como a rotina na casa, onde as crianças estudam, se a babá costumava viajar com a família. Também não esqueça de tirar a certidão de antecedentes criminais. Coloque no google: “antecedentes criminais de …” (estado em que foi emitido o RG da babá) e insira os dados do RG dela.

Importante: lembre-se, na entrevista, de tirar um xerox do RG da babá (frente e verso) caso ela não tenha levado uma cópia. Isso será importante para você pegar a certidão negativa de antecedentes criminais na internet.

Fotos: reprodução

Leia mais...

Adaptando seu pet à chegada do bebê

Acho que é uma dúvida bastante comum para donos de pets que estão esperando o primeiro bebê: o que fazer ou como fazer para que o bichano não estranhe a chegada do novo integrante da família! Afinal de contas, ele já está na casa a mais tempo, já é dono do pedaço, né!!!

Pois é, parece muito complicado, mas digo que na maioria das vezes tudo acaba dando certo, sem perdas!!! E essas dicas podem valer para os donos de gatos também, embora seja sempre bom lembrar que os gatos são mais independentes e por isso tendem a não ligar muito para as mudanças, a não ser que elas afetem diretamente a rotina deles – eles costumam ser indiferentes, a interação com o bebê pode ser quase nula, mas isso pode mudar de gato pra gato, tem raças que são bem carinhosas.

Já os cães parecem ser mais sentimentais e sentem muito mais a perda de território para o bebê, podendo ter crises de ciúmes, as quais devemos ficar bem antenados! Em compensação, quando eles se sentem seguros e amados, demostram até que precisam “ajudar” a cuidar do pequeno ser que chega!

Preparando o terreno!

Pra começar, é fundamental que a rotina do seu animalzinho seja alterada minimamente, que o lugar onde ele descansa e se alimenta e seus objetos continuem no mesmo lugar de sempre. Ele precisa continuar sentindo que é amado, que não perdeu seu posto na casa. Além disso, quanto mais tempo ele tiver de convivência, mais se sentirá desnorteado pelas mudanças devido seu costume de marcar território, seja a poltrona do escritório, que agora virou poltrona da mamãe, e o próprio escritório, virando quarto do bebê.

Quando começar a montar o quartinho, leve seu pet até lá, mostre o berço, as roupinhas, acostume-o aos poucos ao novo ambiente. Se for fazer mudanças drásticas na sua casa, faça aos poucos, e deixe ele participar de perto, vá mostrando o que está sendo modificado. Dê um tempo para ele se adaptar e encontrar novos espaços onde poderá reinar.

Mostre também onde ficarão os brinquedos do bebê, o carrinho, espaços onde você não quer que ele fique circulando, é importante impor os limites que você deseja bem antes do bebê chegar, assim seu pet não fará associação com a chegada, pois já estará acostumado a nova rotina, indicando onde ele pode ou não chegar e inclusive seus novos horários de passeio, alimentação e carinho.

Uma recomendação legal é convidar seus amigos e familiares que tenham bebês para que ele vá se acostumando a presença de crianças na casa. O mais importante nessa fase de preparação é mostrar ao seu pet que o carinho não mudou e que vocês continuarão respeitando o espaço dele, assim ele se manterá tranquilo e causará menos transtornos. Outra dica interessante, que pode ajudar bastante nesse preparo é passear com o carrinho do bebê (pode perfumar com alguma loção ou talco que vá usar quando seu bebê nascer) pela casa, e convidar seu pet para acompanhar o passeio, fazendo-o cheirar o carrinho, por exemplo.

Finalmente chegou o dia, e agora?

Combine com seu marido ou com algum familiar de acompanhar seu pet para uma aproximação, bem aos poucos, e com uma distância segura, mostre ao seu pet o bebê, deixe que ele sinta o cheiro e reconheça o novo membro que chegou. Se for possível (pois sabemos que nem sempre é), faça as apresentações já no primeiro dia, pois do contrário, seu bichinho pode entender como traição, ficar ressentido ou desconfiado e não aceitar bem a mudança. Uma coisa que você pode fazer, é deixar um minutinho o bebê com seu marido ou familiar, e ir cumprimentar seu bichano sozinha primeiro, dar uns minutinhos de atenção e explicar que vai apresentar alguém à ele, e só depois chamá-lo para ver o bebe. Importante: evite os movimentos bruscos com o bebê, como levantá-lo e girá-lo na frente de cães, eles podem pensar que é uma brincadeira e acabar machucando.

Com o bebê já em casa, comece a mostrar e fazê-lo cheirar as roupinhas usadas, deixe ele participar de perto em algumas atividades,  como troca de fraldas ou mamadas, chame-o para a companhia de vocês quando estiverem com o bebê no colo, mostre que ambos são importantes na vida de vocês, que ele continua tendo seu espaço, que embora haja mudanças, ele continua sendo amado pela família, né!

É importante a gente manter o carinho e os cuidados que tínhamos para com o pet antes do nascimento do bebê, manter o horário da alimentação, dos passeios, continuar incluindo ele nas atividades da família. Quanto antes a gente fizer as mudanças, menor a chance dele associá-las ao evento da chegada do bebê.

Em geral, o que vemos nas famílias é uma relação saudável entre pet e bebê, principalmente nos cães,  a gente observa até uma certa proteção, um cuidado, como se ele estivesse sempre de guarda, a cuidar para que nada de mal acontece ao novo integrante. Há histórias lindas sobre essa relação, por isso acho tão importante a gente fazer de tudo para manter nosso pet na família do mesmo jeitinho de quando ele chegou!

Então, antes de entrar em desespero e querer se desfazer do seu pet por causa da chegada do seu bebê, pense bem as possibilidades, converse com seu médico, com o veterinário, é muito importante conhecer as características da raça do seu bichano, pois infelizmente, as vezes acontece uma incompatibilidade mesmo, aí não tem jeito! Mas é legal tentar fazer com que essa relação dê certo, pois seu bebê crescerá amando os pets tanto quanto você ama!

Aqui tem uma matéria super legal sobre a chegada do bebê em uma casa com dois  gatos! Vale a pena dar uma olhadinha. E aqui mais algumas observações sobre a chegada do bebê em uma casa com cães!

Fotos: Bicho em Casa e Webmaster Grade

Via: Bicho em Casa

Leia mais...

Rafael chegou!!!

Oi, meninas!

Aqui estou eu numa passadinha rápida só para contar as novidades! O meu Rafa nasceu!!! Nasceu um pouquinho antes do previsto, mas estamos os dois muito bem!! Ele é lindo, querido e saudável, estou apaixonada!!!!

O parto estava previsto para 30 de agosto, mas ele veio ao mundo no dia 1° às 19:38. O motivo? Eu tive pré-eclampsia, mas isto é assunto para outro dia. Hoje só notícia boa!!!

Mil beijos da mamãe que está ausente porque atualmente só lambe sua cria!!!

Por Karen Melzer

♥♥♥

Foto: Casamenteiras

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS