Nesse frio, você também passa o dia sonhando com o seu edredom quentinho, louca para voltar para casa e se atirar embaixo? Os edredons estão cada vez mais fofinhos e bonitos, e servem não apenas para esquentar a cama mas como item decorativo. A gente adora!

edredom-sintetica

Mas você sabia que existem grandes diferenças nos enchimentos? É, e o seu conforto nas noites frias vai depender disso. Então saiba mais se escolha o edredom ideal para você!

Começando pelos tipos de enchimentos, que podem ser naturais (plumas, penas)  ou sintéticos (poliéster). Esse preenchimento fica por dentro das duas camadas de tecido que entram em contato com a pele.

E sabe para quê servem aquelas costuras aparentes ao longo do edredom? Para manter o preenchimento distribuído uniformemente por toda a peça, evitando que acumule em um só canto.

edredom-branco

Enchimento Natural:

Quem já dormiu sob um edredom de plumas sabe do que estamos falando: é a coisa mais quentinha que pode existir. Ele é mais pesadinho, mas parece que te abraça e te esquenta de uma maneira mágica. Ok, não é magia, é física: os enchimentos naturais são poderosos isolantes térmicos, ou seja, dificultam a dispersão do calor.

Mas para mim, é uma relação de amor e ódio. Deito feliz e acordo toda vermelhinha e espirrando em função da rinite. Isto pois os modelos recheados por plumas e penas podem provocar alergias. Para evitar problemas, é preciso lavar a seco com frequência. A lavagem comum pode estragar as plumas, alterando as características originais do edredom.

edrdom-altenburg-malha

Enchimento Sintético:

Existem hoje as chamadas “plumas de silicone”, de fibra sintética, cujo efeito se assemelha às plumas naturais com a grande vantagem de serem hipoalergênicas e que a lavagem pode ser feita com água mesmo!

As fibras sintéticas conseguem ótimos resultados na manutenção do calor, e são a melhor opção para os alérgicos. Mais práticas também, por terem um processo de higienização mais simples. Quem tem alergias respiratórias sabe que é preciso lavar o edredom mais de uma vez ao ano, e poder lavar em casa (no caso de edredons menores) é um conforto!

Entre as opções sintéticas, existe também um modelo com a camada de tecido externa em plush. É ainda mais quentinho e bem macio. O meu é assim e chega a ser quente demais dependendo da noite!

edrdom-altenburg-malha-plush

Fique atento à gramatura do edredom: quanto mais grossos, mais fibras e maior é a sua capacidade de esquentar. Se sua região não é muito fria, talvez valha à pena investir em modelos mais fininhos, que são bons para as temperaturas amenas. E nos dias mais frios você acrescenta mais um edredom ou cobertor. Quem mora no Sul está acostumada a criar camadas de edredoms, daquelas que a gente mal consegue se mexer por baixo!! Mesmo com ar-condicionado, tem dias por aqui que nada resolve!

Expertes em edredons agora? Já sabe qual escolher?

Fonte: Mulher UOL

Fotos: Altenburg e Pinterest