nome


Escolhendo o nome do bebê

Oi Casamenteiras, tudo bom?

É só dar a notícia da gravidez que vem a pergunta, já sabe o sexo? Se a resposta for sim, já sabemos a próxima pergunta, e o nome? Eu sempre faço isso, é incontrolável!

Antes de engravidar eu tinha um monte de opções de nomes na minha cabeça, alguns desde criança já me encantavam, mas quando chegou a hora de escolher o nome dos meus filhos, eu senti um peso tão grande. É uma responsabilidade enorme escolher o nome de alguém, vocês não acham?

Algumas mulheres tem um nome definido desde criança e pronto, bem prático, outras tem sonhos bacanas, as vezes alguma outra criança da família aparece com um nome lindo e que ninguém tinha pensado. A minha mãe não quis saber o meu sexo até o dia do parto, mas ela sonhou com um bebê falando o nome para ela, ela lembrava do sonho todo, menos do nome que o bebê falava. Ela conta que quando o médico disse ser uma menina ela lembrou na hora do sonho e do nome. E eu que escolhi o nome do meu irmão, minha mãe nem sabia que estava grávida e eu já fui contando do meu irmão, que era “assim e assado”e que se chamava Renato.

Dollarphotoclub_91175544 Escolhendo o nome do bebê

Eu acho tão legal quando acontecem essas coisas, facilita tanto para os pais. Eu parecia uma doida perguntando para todas as crianças que eu conhecia o nome dos meus filhos e nada. Pedi todas as noites da minha gravidez para sonhar com o nome deles e nada. O jeito foi conviver com a responsabilidade de ter escolhido o nome de alguém.

O João para nós tem vários significados, eu e o marido temos avôs com o nome João, e nós dois também admiramos muito São João Evangelista e São João Batista, acho o nome lindo, forte, simples e bem masculino, eu gosto de nomes curtos. A Nina foi difícil de convencer o marido, ele dizia que é apelido, mas só no Brasil Nina virou apelido, no resto do mundo é um nome, e é um nome lindo, curto, doce, feminino. Teve bastante gente que torceu o nariz, mas eu me sentia muito bem chamando a pequena de Nina e hoje não consigo pensar em outro nome para ela.

Para escolher os nomes deles, nós fizemos uma lista de nomes favoritos cada um (eu e o marido), pegamos os nomes que estavam nas duas listas e mais um favorito de cada para compor uma “short list”. A partir daí fomos chamando os bebês pelos nomes e prestando bastante atenção ao que nós sentíamos. Não existe uma fórmula, é pessoal e intransferível.

Para ajudar as gravidinhas que estão nessa fase, segue a lista de nomes mais registrados em 2015. Essa lista é do site babycenter.com.br e foi baseada nos nomes de 93.000 crianças nascidas no ano passado.

PosiçãoMeninasMeninos
1AliceMiguel
2SophiaArthur
3JúliaDavi
4LauraPedro
5IsabellaBernardo
6ManuelaGabriel
7LuizaLucas
8HelenaMatheus
9ValentinaHeitor
10GiovannaRafael
11Maria EduardaEnzo
12BeatrizNicolas
13Maria ClaraLorenzo
14Maria LuizaGuilherme
15HeloísaSamuel
16MarianaTheo
17LaraFelipe
18LíviaGustavo
19LorenaHenrique
20Ana ClaraJoão Pedro
21IsadoraJoão Lucas
22RafaelaDaniel
23SarahMurilo
24YasminVitor
25Ana LuizaPedro Henrique
26LetíciaEduardo
27NicoleLeonardo
28GabrielaPietro
29IsabellyBenjamin
30MelissaIsaac
31CecíliaJoão
32EstherJoaquim
33Ana JúliaLucca
34EmanuellyCaio
35ClaraVinicius
36MarinaCauã
37RebecaBryan
38VitóriaJoão Miguel
39IsisVicente
40LavíniaFrancisco
41MariaAntônio
42BiancaBenício
43Ana BeatrizJoão Vitor
44LarissaEnzo Gabriel
45Maria FernandaDavi Lucas
46CatarinaDavi Lucca
47AlíciaThiago
48Maria AliceThomas
49AmandaEmanuel
50AnaEnrico

 

Beijos,

Kaká

Leia mais...

Sobrenome do marido: adquirir ou não?

Na hora de assinar os documentos do cartório, algumas noivas ficam na dúvida se devem ou não devem adquirir o sobrenome do marido. Algumas mulheres realmente fazem questão de carregar o novo nome, mas outras não se sentem tão à vontade e preferem permanecer com o nome de solteira.

Afinal, existe alguma exigência?

De acordo com a advogada Paula Callejão, essa obrigatoriedade de levar consigo o nome do marido ficou para trás há algumas décadas. “A lei do divórcio alterou o artigo 240 do mencionado código, acrescentando-lhe a expressão ‘poderá’, ou seja, facultando às futuras esposas que contraíssem o sobrenome do marido”, conta.

533a2e5bb94133669a4d830b6cd75895-682x1024 Sobrenome do marido: adquirir ou não?

Veja também: Direitos e deveres das mães dos noivos e O casamento civil da Suellen e do Victor

Segundo o o artigo 1.565, primeiro parágrafo, contando com a redação: “Pelo casamento, homem e mulher assumem mutuamente a condição de consortes, companheiros e responsáveis pelos encargos da família. Qualquer dos nubentes, querendo, poderá acrescer ao seu o sobrenome do outro”.

A advogada também relembra que retirar o nome de solteira está fora de cogitação. “ É importante salientar que, embora atualmente seja facultado possuir o sobrenome do marido ou não, a única proibição que surge é em relação à supressão do nome de solteira da mulher, esta prática em si é defesa por lei. De modo que é permitido e facultado acrescer nomes, jamais suprimi-los”, ressalta.

No caso de a noiva querer escolher sobrenomes intermediários e não o último a aprovação fica à mercê do promotor público no processo de habilitação para o casamento do cartório em que o casal firmou os votos.

Depois que a decisão é tomada, está na hora de fazer alterações na documentação. Primeiramente opte por pedir a segunda via do RG, CPF e atualize seus dados de contas que recebe em casa para que não exista problemas. Em seguida, procure o DETRAN para atualizar o CNH e o cartório eleitoral para o título eleitoral. Em caso de viagens internacionais, atualize seu passaporte e permaneça com seu visto antigo, mas sempre leve uma cópia da certidão de casamento para possíveis problemas na hora do embarque.

 

Leia mais...
FacebookTwitterInstagramPinterestRSSFacebookTwitterInstagramPinterestRSS